'Ele disse que tinha depressão e queria morrer', diz pedreiro feito refém no metrô

salvador
22.01.2020, 18:03:00
Atualizado: 22.01.2020, 20:59:48

'Ele disse que tinha depressão e queria morrer', diz pedreiro feito refém no metrô

Caso ocorreu na estação do Acesso Norte

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Foto: Reprodução

Um homem fez um passageiro do metrô refém por cerca de duas horas na tarde desta quarta-feira (22). De acordo com a polícia, ele desceu de um dos vagões na estação Acesso Norte, por volta das 16h, armado com um facão, e tentou sequestrar uma mulher, que correu e conseguiu fugir. 

Em seguida, o homem imobilizou outro passageiro, um pedreiro que estava voltado do serviço. Com o facão apontado para o pescoço da vítima, ele permaneceu alguns minutos na plataforma da estação. A primeira dupla de policiais militares que chegou ao local convenceu o sequestrador a subir para o segundo piso. Ele e a vítima ficaram na sala de primeiros socorros, enquanto do lado de fora policiais tentavam negociar.  

A negociação durou, aproximadamente, duas horas até que o homem foi convencido a liberar o refém. A vítima, identificada como Júlio César, foi liberada sem ferimentos. Ele contou que trabalha como pedreiro e que tinha ido fazer um serviço quando foi pego de surpresa ao sair do metrô. Durante o tempo que esteve refém, o criminoso disse para ele que estava depressivo.

"Ele disse que tinha depressão e só queria morrer, só queria que alguém atirasse nele".

O criminoso deixou o local cerca de 10 minutos depois de Júlio César, com a cabeça coberta por uma roupa preta. Antes, ele recebeu atendimento médico de uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). 

Segundo passageiros, a confusão começou na plataforma, assim que o metrô parou e a vítima teria sido escolhida aleatoriamente. Policiais militares começaram a negociação ainda na plataforma e convenceram o homem a subir para o segundo piso. Equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e do Samu chegaram em seguida.

Ao CORREIO, a PM informou que foi acionada por volta das 16h40 por seguranças da CCR Metrô e que, após ação conjunta entre policiais da 1ª Companhia Independente da PM (CIPM/Barris) e do Bope, o caso foi resolvido. Acrescentou ainda que a vítima e o agressor foram levados para a Central de Flagrantes, onde a ocorrência será registrada.

Já a CCR Metrô Bahia informou em comunicado que "a concessionária está dando todo o apoio às autoridades policias neste caso". O serviço segue funcionando normalmente no metrô.

Lista de locais que oferecem apoio psicológico e tratamento gratuitos ou por valores sociais em Salvador

  • Caps IA (IAPI)
    Endereço: Rua Conde de Porto Alegre, 11.
    Telefone: (71) 3611-9011

  • Caps IA (Jaguaribe)
    Endereço: Rua das Mangaloeiras, 128.
    Telefone: (71) 3611-7913

  • UNIFACS (PA1 - Federação)
    Endereço: PA1 – Unifacs: Avenida Cardeal da Silva, 132.
    Telefone: (71) 3271-8119

  • Universidade Federal da Bahia (Ufba)
    Endereço: Rua Professor Aristides Novis, 197, Federação (São Lázaro).
    Telefone: (71) 3235-4589

  • FTC (Paralela)
    Endereços: Av. Luís Viana Filho, 8812, Paralela
    Telefone: (71) 3281-8073

  • FTC (Comércio)
    Sede da Clínica de Psicologia da FTC, na Praça da Inglaterra, nº 6, Edf. Big, 4º andar, Comércio.
    Telefone: (71) 3241-6892

  • Para menores de idade: Para adolescentes até 17 anos há dois Centros de Atendimento Psicossocial Infância e Adolescência (Caps IA) em Salvador. Existe uma unidade no IAPI e outra em Jaguaribe. O atendimento é por ordem de chegada e é necessário levar carteira do Sistema Único de Saúde (SUS), além do documento de identificação do jovem e responsável.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas