Eleições do Bahia: confira entrevista com Binha de São Caetano

e.c. bahia
05.12.2017, 08:53:00
O popular Binha de São Caetano é um dos candidatos à presidência do Bahia (Foto: Almiro Lopes/CORREIO )

Eleições do Bahia: confira entrevista com Binha de São Caetano

Torcedor folclórico quer ganhar Série A e Copa do Brasil já em 2018

Com o fim da Série A, o CORREIO inicia nesta terça (5) uma série de entrevistas com os cinco candidatos à presidência do Bahia, em eleição que ocorre no sábado (9). Primeiro, os entrevistados são Guilherme Bellintani e Binha de São Caetano. Na quarta (6) e na quinta-feira (7) completaremos a série com as respostas de Fernando Jorge, Nelsival Menezes e Abílio Freire.

Em texto, os leitores conferem as respostas das perguntas básicas e comuns aos candidatos de forma editada. Em áudio sem cortes, no Bate-Pronto Podcast Especial (ao fim da entrevista escrita), os candidatos respondem também a perguntas específicas e aditivos às perguntas básicas. 

Binha de São Caetano
Torcedor folclórico mais conhecido do Bahia, Flávio Alexandre da Silva, o Binha de São Caetano, concorre ao cargo de presidente do tricolor pela segunda vez. Em 2014, ele teve 14 votos. Defendendo uma campanha mais humilde e pautada pelo amor ao clube, Binha tem como principal promessa tornar o Esquadrão campeão da Copa do Brasil e da Série A já no ano que vem.


CORREIO: Caso seja eleito, seu objetivo é dar continuidade ou reformular o trabalho feito pela atual gestão do Bahia?  
Binha de São Caetano: Caso seja eleito não, eu já sou presidente do Bahia, tenho 85% dos votos. Com todo respeito aos demais candidatos que têm poderio financeiro maior, o Bahia não quer dinheiro de ninguém. O Bahia precisa de projeto e planejamento para colocar o clube campeão da Copa do Brasil e da Série A. Quanto à pergunta, vou dar continuidade. A administração do Bahia é nota dez. Quem está lá dentro é muito competente. A mudança é do representante, que é o presidente. Eu não gosto do trabalho de Marcelo Sant’Ana, a equipe dele acertou muito e errou muito, mas não é para mexer na gestão, não. Quem tem que sair é o presidente e o pessoal que está lá ficar. O grupo dele acertou 60% e errou 40%. O futebol mesmo não acertou nada. Acertou em quê? Contratou diversos jogadores, diversos treinadores e não deu certo. Ele errou ao chamar o Bahia de médio para pequeno num programa de TV nacional. Ele não conhece o poder do Bahia, que é uma potência internacional. Médio para pequeno é ele, tanto que o grupo dele botou ele para fora.

C: Qual estrutura de direção você pretende aplicar no Bahia caso seja eleito?
BSC: Acho Diego Cerri um excelente diretor de futebol. Eu vou deixar todo mundo aí. Você não pode chegar numa casa e desarrumar para depois arrumar. Lá não tem cabide de emprego. Todos os profissionais que estão aí são competentes, menos o presidente. Não manteria Carpegiani. Eu traria o treinador do São Paulo, Dorival Júnior. Sabe por quê? Trabalha com a base. Eu quero um profissional que trabalhe com a base. Tem que contratar profissional da área, não fazer o Bahia de cabide de emprego. Pessoas que conheçam de futebol, não contratar amigo.

C: Quais são os seus projetos para a Cidade Tricolor e o Fazendão?
BSC: Quero manter a Cidade Tricolor, que eu conheço bem, e o Fazendão. Eu fui visitar a Cidade Tricolor e é o maior e melhor centro de treinamentos do Brasil. E olha que eu conheço todos. A Cidade Tricolor foi abandonada por essa diretoria para ter razão politicamente. Abandonou porque não é deles o dinheiro. Iludiram o torcedor para ficar a favor deles e gostam de agredir as pessoas que amam o clube. Disseram que fizeram isso e aquilo, mas a mim não enganam. Disseram que o Bahia perdeu o Fazendão e eles recuperaram, é mentira! O Fazendão sempre foi do Bahia. Comigo, a base vai ficar no Fazendão e o profissional vai treinar na Cidade Tricolor, que tem toda a estrutura. Eu ganhando, vou entrar na Justiça para essa direção aí pagar o prejuízo que fez ao não cuidar da Cidade Tricolor.

C: Hoje você vê o Bahia em que patamar e onde você acha que pode deixar em três anos?
BSC: Eu sei que o torcedor fala “esse cara é maluco”. Pode chamar, torcedor manipulado. O Bahia é nível Barcelona, Real Madrid, Inter de Milão, Juventus. Aqui no Brasil é do nível de São Paulo, Corinthians, Santos, Palmeiras. O Bahia é do Clube dos 13, é bicampeão brasileiro. O Bahia é potência do futebol brasileiro e mundial. Então, tem a obrigação de ganhar Copa do Brasil e Série A já no ano que vem. Com Binha presidente do Bahia, o Bahia vai brigar por títulos brasileiros, Libertadores e Mundial. O Bahia é do nível do Palmeiras. Se o Palmeiras vai brigar por isso, por que o Bahia vai brigar por menos? Vou conseguir títulos todos os anos. Copa do Brasil, Série A e Libertadores. Por que o Grêmio pode ser campeão e o Bahia não, meu amigo?

C: Por que você quer ser presidente do Bahia?
BSC: Que pergunta! Essa pergunta eu não entendi... Em primeiro lugar, eu amo o Bahia. Em segundo lugar, eu teria a maior alegria de ser presidente do Bahia. Eu quero ganhar a eleição para colocar o Bahia campeão da Copa do Brasil e Série A. A maior alegria da minha vida seria ser presidente do Bahia. Tenho inteligência, qualidade, postura e perfil para isso. Tentaram por várias vezes impugnar a minha eleição, tentaram denegrir a minha imagem, tentaram me desmoralizar perante a torcida do Bahia. Me chamaram de preto, pobre, macaco, maluco, analfabeto que mora no São Caetano. O que isso tem a ver, rapaz? Nunca agredi ninguém, mas sou agredido. Paes Mendonça sem curso superior montou um império. Sílvio Santos montou um império. Lula montou um império. Por que Binha não pode ser presidente do Bahia?

C: Quais as suas propostas para melhorar a relação do Bahia com a Fonte Nova?
BSC: Precisa romper o contrato com a Fonte Nova. O Bahia quer jogar na Fonte Nova, mas ela vai ter que pagar R$ 24 milhões para o Bahia jogar lá. Vou fazer esse contrato. A Fonte Nova é do Bahia, sempre foi. O Bahia foi campeão brasileiro onde, hein? Agora, a administração da Fonte Nova tem que saber contratar seus terceirizados. A maioria dos seguranças e bilheteiros trata o torcedor mal. Como é que você vai tratar o seu cliente mal? Isso é falta de inteligência! Tem fila para entrar, confusão, catraca dá defeito, dão informações erradas... Outra coisa: cercaram a Fonte Nova. Comigo presidente, vou abrir a arquibancada. Não vai ter divisão de torcedor A, B, C ou D. Todo torcedor vai ser igual. O lounge tudo bem, pode continuar. O preço do ingresso não dá para baixar. Senão, como o Bahia vai pagar as suas contas? Eu vou colocar ingressos a R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia). Agora, o anel superior eu vou colocar a R$ 20, pronto! Tem candidato dizendo que vai colocar ingresso a R$ 10. Mas como o Bahia vai pagar suas contas?

QUEM É?
Projetista industrial aposentado, Flávio Alexandre da Silva é conhecido por ir a quase todos os jogos do Bahia país afora. Torcedor folclórico, concorreu à presidência pela primeira vez em 2014, tendo como candidato a vice outro torcedor folclórico, Zé Tricolor. Sem apoio de qualquer grupo político, tiveram 14 votos. Neste ano, eles repetem a candidatura, novamente sem apoio de qualquer chapa.

Áudio

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas