'Eles nunca brigaram, estamos perplexos', diz parente de empresário morto no Horto

salvador
11.01.2021, 15:18:00
Atualizado: 11.01.2021, 16:39:36
(Reprodução)

'Eles nunca brigaram, estamos perplexos', diz parente de empresário morto no Horto

Arma do crime foi encontrada ao lado do corpo de Isabela; pais de Elton acordaram com barulho do tiro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Os familiares do empresário Elton Gonçalves Campelo, 35 anos, e da namorada dele, Isabela Valença, 33, estão consternados com a morte do casal. Os dois estavam no edifício Terrazzo Imperiale, que fica no Horto Florestal, um dos bairros mais nobres de Salvador, quando o crime aconteceu.

A suspeita da polícia é de que Isabela matou o namorado e cometeu suicídio em seguida. Na manhã desta segunda-feira (11), um outro parente de Elton esteve no Instituto Médico Legal Nina Rodrigues para fazer a liberação do corpo. Chocado com a situação, ele disse que o casal não tinha histórico de brigas.

“Estamos todos tentando entender o motivo da tragédia. Eles nunca tiveram uma briga. Estamos perplexos”, disse ele, que preferiu não revelar o nome. O CORREIO tentou falar com um irmão de Isabela, Paulo Valença, sem sucesso.

Já a prima de Elton, Lívia Campelo, disse que a família não consegue achar explicação para a tragédia. “Me perdoe, mas está sendo muito difícil para todos nós. Ninguém tem explicação para o que aconteceu, para nada”, disse emocionada, na manhã desta segunda-feira (11).

No condomínio de luxo onde ocorreu o crime, os funcionários foram orientados ao não falar com a imprensa. Os moradores também não quiseram comentar o assunto. Porém, uma manicure que atende em domicílio, e que tinha acabado de sair do edifício Terrazzo Imperiale quando o crime aconteceu, contou ao CORREIO que os pais de Elton dormiam quando os disparos foram efetuados. “O comentário é que eles acordaram com os tiros”, contou ela. 

De acordo com a investigação policial, os corpos de Elton e Isabela foram encontrados pelos pais de Elton, a decoradora Elza Campelo e o empresário Gladston Campelo, donos do apartamento, que estavam em outro quarto na hora do crime. 

Elton e Isabela foram mortos com tiros na cabeça. O corpo dele foi encontrado em cima da cama da suíte onde o casal estava, enquanto o dela foi achado no banheiro do cômodo. Ao lado dela, estava a arma do crime, uma pistola que pertencia a Elton, que tinha porte de arma. 

As circunstâncias reforçam a hipótese para o crime: um homicídio seguido de suicídio. Segundo a Polícia Civil, o pai do empresário se assustou ao ouvir um barulho de tiro e foi ao quarto do casal, que passava as férias em Salvador. 

Elton morava em Juazeiro, na região do Vale São Francisco, onde nasceu. Já Isabela morava em Petrolina, cidade vizinha, em Pernambuco. 

Ainda segundo informações preliminares, não houve nenhuma discussão do casal momentos antes do crime. No sábado (8), horas antes do assassinato, Isabela chegou a postar uma foto com o namorado em sua rede social. Os dois namoravam desde 2018.

O caso é apurado pela delegada Marta Karine, da 1ª Delegacia de Homicídios. O motivo do crime ainda é um mistério. 

O corpo de Elton será enterrado às 11h30 desta terça-feira (12) no cemitério Jardim da Saudade, no bairro de Brotas. Já o corpo de Isabela segue no IML Nina Rodrigues e aguarda liberação.

De acordo com o Departamento Polícia Técnica (DPT), dois familiares dela já foram ao local, mas não puderam fazer os procedimentos legais para a liberação, por não serem parentes direitos, como pais ou irmãos.

Amigos não entendo o que aconteceu
A família de Elton comanda o Curtume Campelo, que já foi símbolo de desenvolvimento na região. A empresa chegou a empregar 500 funcionários e teve influência direta na geração de renda no município.

Elton e Isabela estavam juntos desde 2018. Antes de voltar a morar em Juazeiro, Elton estudou em Salvador em colégios tradicionais, como Módulo e Anchieta. Formado em Administração, regressou para a cidade que nasceu. No final do ano passado, ele havia solicitado um alvará à Vigilância Sanitária para montar uma clínica. Já Isabela, era sócia de um restaurante japonês em Petrolina, que está fechado para reforma desde a pandemia. 

Morador de Juazeiro, o jornalista Pedro Alcântara Filho, amigo de infância de Elton, disse que está perplexo com o crime. “Estou até agora atordoado tentando entender tudo isso. Meu pai é muito amigo do pai dele e, por isso, fomos criados juntos. Era um casal que se dava super bem. Eram tranquilos. A cidade toda está em sem acreditar.  Nunca vi o casal em desentendimento, sequer subia a voz. Altamente inexplicável. Estamos todos chocados”, contou. 

Pedro disse que viu Elton pela última vez há cerca de mês. “O vi passeando antes de viajar nas férias”, recordou.  Ele disse que o amigo sempre gostou de esportes aquáticos. “Além de surfar, ele pilotava jet-ski e praticava kitesurf no Rio São Francisco”, contou o amigo. 

Já sobre Isabela, o jornalista disse que sabe pouco dela. “Minha amizade era com ele. Vez ou outra almoçava no restaurante dela e a cumprimentava. O que sei é que ela é também de uma família que tem boa condição financeira em Petrolina”, disse. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas