Em desvantagem na final, Bahia enfrenta o Ceará em busca do tetra

e.c. bahia
08.05.2021, 05:05:00
Atualizado: 08.05.2021, 05:52:40
Bahia precisa vencer partida de volta contra o Ceará (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

Em desvantagem na final, Bahia enfrenta o Ceará em busca do tetra

Tricolor encara o Vozão neste sábado (8), às 16h, no Castelão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Agora é a hora. Neste sábado (8), às 16h, a Copa do Nordeste vai definir o time campeão da temporada 2021. Será mais um capítulo da rivalidade entre Bahia e Ceará, e o alvinegro entra com vantagem na busca pelo troféu.

No primeiro encontro, em Pituaçu, deu Ceará, por 1x0. Ao Esquadrão, interessa apenas um resultado no Castelão, em Fortaleza: vencer. Se for por um gol de vantagem, o dono da taça será decidido nas cobranças de pênaltis. Se o tricolor ganhar por dois gols de diferença, garante o título no tempo regulamentar.

A missão é difícil, ainda mais considerando o histórico recente de cinco derrotas seguidas contra o Ceará. Mas o técnico Dado Cavalcanti minimiza. Segundo ele, a possibilidade de inverter a situação é bem possível.

“O Ceará saiu na frente, na vantagem pela decisão, mas temos 90 minutos para reverter esse placar. Essa é a conversa que nós temos internamente. Sabemos das dificuldades, das qualidades do nosso adversário, mas o título está em aberto”, afirma.

Tricampeão do Nordestão, o Bahia busca o quarto troféu para se igualar ao Vitória como maior vencedor do torneio. Para isso, precisa passar pela melhor defesa do torneio. Em 11 partidas, o Ceará sofreu só três gols. E, ao vencer o tricolor no jogo de ida, chegou ao 20° gol marcado no regional, liderando o quesito ao lado, justamente, do Esquadrão.

A expectativa é de um jogo duro. Sabendo do bom comportamento defensivo do adversário, o meia Rodriguinho alerta que o Bahia terá que ser efetivo nas oportunidades de gols que surgirem.

“Por conhecer tão bem o Ceará e a nossa equipe, vamos ter jogo bem difícil, contra defesa muito bem postada, que toma poucos gols. O segredo vai ser aproveitar as oportunidades da melhor forma possível, sabendo que vai ser um jogo truncado. Que a gente possa voltar para o jogo, já que estamos saindo atrás, e não errar lá atrás para que possamos equilibrar o jogo da melhor forma possível”, comentou o camisa 10.

Com desfalques
Dado Cavalcanti não contará com o lateral direito Nino Paraíba, o zagueiro Luiz Otávio e o volante Patrick, todos suspensos. O treinador comentou sobre as perdas e explicou como fará as reposições na partida decisiva. Embora sem revelar nomes, os prováveis substitutos são Renan Guedes, Juninho e Jonas, nesta ordem.

“Patrick é um primeiro volante que tem como especialidade a construção baixa. Eu não busco um substituto a ele, porque não encontrarei. Eu busco adaptação que outro atleta escolhido vai trazer. Vai mudar um pouco o desenho. A mesma coisa em relação ao Nino, que tem uma vitalidade. O que ele promovia de agressividade à última linha do adversário, e ter o mesmo poder de recomposição de defesa, não posso cobrar do substituto. Nossa condição é de buscar as adaptações dentro do grupo para que a gente consiga, com outras características, efetividade para buscar o resultado”, disse Dado.

A taça da Copa do Nordeste
(Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

Na sexta-feira (7), o elenco encerrou a preparação no centro de treinamento do Fortaleza. Após assistir a um vídeo com imagens do jogo de ida, o grupo participou de um treino tático. Em seguida, os jogadores fizeram uma atividade de bola parada, com treino de escanteios e faltas. No fim, treinaram cobranças de pênaltis.

O Bahia deve ser escalado com: Matheus Teixeira; Renan Guedes, Conti, Juninho e Matheus Bahia; Jonas, Thaciano e Daniel; Rossi, Gilberto e Rodriguinho.

Ceará joga por empate para ser tri invicto sobre o Bahia

Invicto na Copa do Nordeste e dono da melhor defesa e do melhor ataque (este empatado com o Bahia) do torneio, o Ceará chega para a decisão precisando de apenas um empate para se sagrar tricampeão.

Os dois títulos do Vovô, por sinal, foram conquistados sobre o Esquadrão, em 2015 e 2020. Coincidentemente, em campanhas invictas, como está sendo a atual. 

Mas nada de viver do passado: para o técnico Guto Ferreira, é preciso que o trabalho seja bem feito no presente. “Nós não podemos nos apegar ao que passou, temos que construir o que está para ser construído, que são os 90 minutos. Lógico que esse momento nos traz um nível de confiança alto, mas tudo que é demais faz mal. Então, temos que estar com o nosso nível de confiança no ponto certo, nem mais, nem menos”, afirmou.

Guto Ferreira, técnico do Ceará, e Dado Cavalcanti, treinador do Bahia
(Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

O alvinegro está há oito jogos sem perder do Bahia. A última vez que o tricolor venceu foi em 2018 e, de lá para cá, foram dois empates e seis vitórias do Ceará - cinco delas seguidas, incluindo o jogo de ida da final do Nordestão, por 1x0. “Toda essa estatística, todos esses resultados não valem nada se a gente não fizer valer nos 90 minutos. Com todo respeito ao Bahia, nós temos que fazer mais 90 minutos disso para conquistar nosso objetivo, que é ser campeão da Copa do Nordeste”, continuou Guto.

Assim como o Bahia, o Ceará disputa a Sul-Americana. Mas, durante a semana, Guto Ferreira poupou os principais jogadores contra o Bolívar, em La Paz, preservando as principais peças para a Copa do Nordeste. 

Guto, aliás, tem a chance de se tornar o maior treinador campeão isolado da história do regional. Até aqui, tem dois títulos, conquistados em 2017, com o Bahia, e no ano passado, com o Ceará. Ele atualmente está empatado com Arturzinho, que tem taças pelo Vitória, em 1997, e pelo América-RN,  em 1998. 

O Ceará, por sua vez, pode se igualar ao Bahia e ao Sport no número de troféus, caso fature o terceiro. O time, que está invicto há 23 partidas no torneio, ainda pode entrar para o seleto grupo de equipes com duas conquistas seguidas da Copa do Nordeste. Apenas o Bahia conseguiu o feito em dois anos consecutivos, 2001 e 2002. O Vitória também ganhou duas edições em sequência, mas em 2003 e 2010, quando a competição foi retomada.

Contra o Bahia, o Ceará deve ter: Richard, Gabriel Dias, Messias, Luiz Otávio e Bruno Pacheco; Oliveira, Pedro Naressi e Vina; Lima, Felipe Vizeu e Mendoza.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas