Em reação a Bolsonaro, China diz que se opõe a 'tentativa de politizar' pandemia

mundo
06.05.2021, 20:22:10
Atualizado: 06.05.2021, 20:36:37
Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, comentou o assunto (Divulgação/GovCN)

Em reação a Bolsonaro, China diz que se opõe a 'tentativa de politizar' pandemia

Comunicado foi dado após insinuação do presidente brasileiro de que o país asiático poderia ter criado o vírus como parte de uma "guerra bacteriológica"

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O governo da China avisou que se opõe com firmeza a "qualquer tentativa de politizar e estigmatizar" a pandemia de coronavírus. A resposta é uma reação de Pequim à insinuação do presidente brasileiro Jair Bolsonaro de que o país asiático poderia ter criado o vírus em laboratório como parte de uma "guerra bacteriológica".

"O vírus é o inimigo comum da humanidade. A tarefa urgente agora é que todos os países se unam na cooperação contra a pandemia e se esforcem por uma vitória rápida e completa sobre ele. Nos opomos firmemente a qualquer tentativa de politizar e estigmatizar o vírus", avisou Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China.

Não é a primeira vez que Bolsonaro faz insinuações deste tipo. Recentemente, Paulo Guedes, ministro da Economia, também tinha falado do país asiático com o mesmo tipo de colocação, o que tem gerado um desgaste nas relações entre os dois países. Vale lembrar que a China é um importante parceiro comercial do Brasil e que tem enviado insumos para a fabricação da Coronavac, vacina contra a covid-19.

As declarações de Bolsonaro repercutiram também no Instituto Butantan, que tem recebido da China os IFAs (Insumos Farmacêuticos Ativos) da Coronavac. Segundo o presidente do instituto, Dimas Covas, esse tipo de colocação de autoridades do governo federal atrapalham ainda mais a liberação dos produtos para o Brasil.

"Embora a Embaixada da China no Brasil venha dizendo que não há esse tipo de problema, a nossa sensação, de quem está na ponta, é de que existe dificuldade. Uma burocracia que está sendo mais lenta que o habitual e autorizações com volumes cada vez mais reduzidos. Essas declarações obviamente têm impacto e nós ficamos à mercê dessa situação", disse.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas