Engenheira baiana era mantida em cárcere privado por jogador em Fortaleza

brasil
23.11.2021, 16:32:16

Engenheira baiana era mantida em cárcere privado por jogador em Fortaleza

Os dois se conheceram através da internet

Um jogador de futebol cearense, de 28 anos, foi preso suspeito de manter a namorada, de 24 anos, em cárcere privado em Fortaleza, além de agredi-la. De acordo com a Polícia, ele se relacionada com a jovem pelas redes sociais e, no último dia 16, a engenheira agrônoma foi da Bahia para o Ceará e ficou hospedada na casa dele. 

Após denúncia de uma amiga da vítima, a Polícia localizou a residência e encontrou o suspeito, identificado como Francisco Diego da Silva, e a namorada baiana, que afirmou ter sido agredida após três dias de estadia. O exame de corpo de delito confirmou a violência sofrida.

O homem, que tem contrato com um time de futebol do Norte, já responde por lesão corporal. Conforme as investigações, ao chegar à residência do suspeito, onde outras pessoas também moravam, uma mulher chegou a negar a presença do casal no local. Porém, os policiais insistiram e ele acabou saindo do cômodo onde estava com a vítima.

De acordo com a jovem, o homem ficou violento e começou a restringir com quem ela se comunicava pelo celular. Ele foi autuado em flagrante flagrante por cárcere privado, lesão corporal e injúria real, no âmbito da violência doméstica e familiar. A vítima já retornou para sua cidade natal na Bahia. 

(Foto: Reprodução)

Socorro
Nas mensagens de WhatsApp obtidas pelo O POVO, a mulher afirma a uma amiga que precisava de ajuda e queria ir embora de Fortaleza. "Se eu não sair daqui, ele vai acabar me matando. Ele me bateu hoje e eu não posso mais ficar aqui. Minha vida está em risco. Eu preciso de ajuda amiga", pediu socorro.

Na Bahia, a amiga da engenheira perguntava se ela tinha o dinheiro da passagem e ela respondia que sim, mas que não conseguia sair da casa. As conversas aconteceram enquanto o homem dormia. "Fui falar de ir embora. Ele voou em cima de mim. Preciso de ajuda para sair daqui da casa. Eu pensei em ligar para a Polícia e pedir ajuda", conta nos diálogos.

A amiga pediu o endereço da vítima, que repassou a localização e o número da rua, no bairro Jardim Iracema, em Fortaleza. Durante a conversa ela orienta: "Não arrume nada. Deixe tudo como está. Para ele não desconfiar. Quando a Polícia chegar, aí você corre para perto deles", orientou a amiga.

A Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), por meio da equipe plantonista, foi até o local e prendeu Francisco Diego, que é jogador de futebol, em flagrante, por crimes de cárcere privado, lesão corporal e injúria real. O homem controlava o celular e todas as conversas dela. O que também a impedia de solicitar o socorro.

Manuela Costa, delegada adjunta da DDM, informou que a equipe plantonista recebeu o telefonema de uma pessoa que se identificava como amiga da vítima e relatava que a mulher estava impedida de sair da residência. O serviço de inteligência iniciou as investigações e a equipe foi ao local. A Polícia constatou que a vítima, de fato, estava em cárcere privado. Ainda havia uma terceira pessoa na casa, que chegou a negar a presença da engenheira, mas o suspeito acabou saindo com a mulher do cômodo após as investidas da Polícia Civil.

"A vítima apresentou uma narrativa de que havia um relacionamento há sete meses, que já esteve em Fortaleza e retornou na expectativa de se adaptar ao local e ia ficar aqui depois de um mês. Ela percebeu esse aspecto agressivo, foi lesionada e impedida de sair da residência", relatou a delegada.

Diego é jogador de futebol, com passagens por clubes como Ituano (SP) e Tarumã (AM). Ele negou as acusações. A mulher passou por exames que comprovaram as agressões. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas