Equipe de afiliada da Globo é agredida durante reportagem em Florianópolis

brasil
02.11.2020, 15:25:00
Atualizado: 02.11.2020, 15:37:57
(Divulgação)

Equipe de afiliada da Globo é agredida durante reportagem em Florianópolis

Eles filmavam banhistas que descumpriam decreto em praia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Uma equipe da NSC, afiliada da Globo em Santa Catarina, foi agredida enquanto fazia uma matéria na manhã desta segunda-feira (2), em Florianópolis.

A repórter Barbara Barbosa e o repórter cinematográfico Renato Soder filmavam da orla banhistas na praia do Campeche - decreto permite banho, mas proíbe a permanência das pessoas na areia.

Um grupo se aproxima e ameaça os jornaistas. Dois banhistas tentam arrancar o equipamento e o celular deles. A maioria está sem máscara.

Uma mulher consegue pegar o celular da repórter, que consegue recuperar na confusão. Ela ficou arranhada e com outras marcas no braço.

A Polícia Militar e a Guarda Municipal foram acionadas. Um boletim de ocorrência será registrado pela emissora.

Repúdio
A Associação Nacional de Jornais (ANJ) lamentou as agressões. "Foi uma atitude covarde, autoritária, intolerante e que demonstra falta de compreensão do papel dos jornalistas na sociedade", diz a entidade. "Além das agressões verbais e físicas, condenáveis em qualquer situação, o que houve foi também uma tentativa de impedir que a verdade chegue ao conhecimento dos cidadãos. Portanto, se trata de um ataque ao direito das pessoas de serem livremente informadas. A ANJ espera que os agressores sejam identificados e encaminhados à Justiça, para que sejam punidos nos termos da lei", ainda informou a ANJ.

A Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão (Acaert) também divulgou nota de repúdio. "Qualquer tipo de intimidação ou constrangimento ao trabalho de equipes de reportagem em sua missão de informar a população configura um atentado contra a liberdade de imprensa, principalmente neste momento de pandemia. Desta forma, pedimos que as autoridades identifiquem e punam exemplarmente os responsáveis pela agressão, destacando que qualquer tentativa de cercear os meios de comunicação são, também, um crime contra a democracia", diz o texto. 

A Associação Catarinense de Imprensa foi outra a repudiar a agressão sofirda pela equipe. "Tentar calar a imprensa é atitude irresponsável e perigosa de pessoas que flertam com o autoritarismo sem ao menos entender as implicações históricas de tal atitude. Espera-se que os agressores sejam devidamente identificados e exemplarmente punidos, na forma da lei", diz.

A emissora NSC TV também emitiu nota afirmando que os agressores vão responder pelos atos. "O ataque e a agressão à equipe da NSC, nesta segunda-feira na Praia do Campeche, são uma tentativa de impedir o trabalho da imprensa, de levar os fatos ao conhecimento público - o que é garantido pela Constituição federal. Atitudes como esta, que infelizmente mostramos no Jornal do Almoço, estão se repetindo no país inteiro. Mas elas revelam e fortalecem a importância do nosso trabalho. Os agressores responderão pelos seus atos. E nós vamos continuar fazendo o que fazemos: jornalismo profissional, independente e essencial para a sociedade catarinense", informou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas