'Era muito querida', diz vizinho de menina morta em Sussuarana

salvador
16.03.2020, 21:40:00
Atualizado: 16.03.2020, 21:43:55
Tiro deixou marca na janela do quarto onde a criança dormia (Marina Hortélio/CORREIO/Reprodução)

'Era muito querida', diz vizinho de menina morta em Sussuarana

Dominique morava com a mãe em um condomínio no bairro e foi morta enquanto dormia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Morta por uma bala perdida enquanto dormia, no último domingo (15), Dominique Oliveira da Silva, 11 anos, é lembrada pelos vizinhos do Conjunto habitacional Sussuarana II, no bairro de Sussuarana Velha, em Salvador, como uma menina simpática e muito querida. 

“Ela ia do colégio pra casa todos os dias. Era uma menina muito boa, e o que aconteceu deixou todo mundo muito triste”, contou um vizinho, que preferiu não se identificar. “Eu a conhecia desde que ela ainda estava na barriga da mãe”, disse. O morador do condomínio onde a criança vivia afirmou que vai pedir uma folga no trabalho para poder ir para o enterro de Dominique nesta terça às 10h, no Cemitério Campo Santo.

As outras crianças da região relataram ainda que a menina adorava andar de patins, mas não brincava muito durante a semana. “Ela ficava mais em casa, só dia de sábado e domingo ela saia pra brincar”, disse um menino, que também não se identificou.

Os pais da criança, Jefferson da Silva e Edileia Dorea Oliveira, são separados. A menina morava em Sussuarana com a mãe. Moradores do local relatam que, mesmo com a separação, o pai sempre visitava a filha e brincava com ela. “No final de semana antes da morte dela, ela estava brincando com o pai aqui no condomínio”, contou um vizinho.

Ao CORREIO, o pai da criança disse que ficou sabendo da morte da filha logo depois que ela foi baleada. Em meio às lágrimas, ele contou que Dominique morreu por volta das 23h45, no Hospital Geral Roberto Santos.

O barulho do tiroteio, de onde partiu o tiro que matou a criança, acordou os moradores do condomínio de prédio na noite de domingo. Eles relatam ter escutado, pelo menos, 40 tiros durante a noite de domingo. A criança foi baleada na testa, segundo a Polícia Civil.

“Foi um bocado de tiro”, disse um dos vizinhos. Localizada no terréo do prédio, a janela do quarto de Dominique é virada para o local onde ocorria a troca de tiros e tem uma marca de perfuração causada por um projétil de arma de fogo.

Na manhã desta segunda, um corpo com marca de tiros foi encontrado nas imediações da casa da menina, informou a Polícia Civil. De acordo com a Polícia Militar, a menina foi atingida durante um confronto entre facções criminosas no bairro.

Segundo os vizinhos, a mãe de Dominique gritou por ajuda da porta de casa ao ver a criança baleada. Edileia segurava a filha que sangrava muito. Os moradores se prontificaram para ajudar a menina. Um deles chamou a atenção de duas viaturas que passavam no local para socorrer Dominique.

De acordo com a Polícia Militar, equipes da Companhia de Patrulhamento Tático Móvel (Patamo) foram acionadas para escoltar o carro de um homem que prestava socorro à criança. O crime é investigado pela 2ª Delegacia de Homicídios (2ª DH/Central).

*Com orientação do chefe de reportagem Jorge Gauthier

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas