Estados Unidos investigam se novo coronavírus vazou de laboratório chinês

coronavírus
17.04.2020, 20:07:00
Atualizado: 17.04.2020, 20:07:10
(Foto: Shutterstock/Reprodução)

Estados Unidos investigam se novo coronavírus vazou de laboratório chinês

País está procurando indícios se transmissão começou em um instituto de virologia de Wuhan

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Pelo relato oficial da China, a pandemia do novo coronavírus teria começado em um mercado de Wuhan. Porém, os Estados Unidos parecem não acreditar muito nessa versão - e passaram a conduzir sua própria investigação. Segundo o presidente norte-americano, Donald Trump, o governo do país está analisando rumores envolvendo um laboratório chinês.

A linha de investigação dos EUA é que transmissão em humanos tenha se iniciado no Instituto de Virologia de Wuhan (conhecido pela sigla WIV). Lá, são estudados coronavírus que atingem morcegos. A pesquisa dos americanos, então, procura saber se foi no local que um vírus de morcego infectou um humano - e, então, se essa pessoa levou a covid-19 para fora, sem querer, e começou a transmissão.

Na própria China, autores já botaram em dúvida a versão oficial do governo do país. Em uma pesquisa publicada em janeiro na revista científica The Lancet, os estudiosos não concordavam com a explicação que os primeiros pacientes teriam sido infectados em um mercado de frutos do mar de Wuhan.

O WIV foi o primeiro laboratório da China a receber a maior certificação de segurança, no ano de 2015. Porém, o jornal Washington Post publicou, nesta semana, um texto que contesta a capacidade do instituto atualmente. De acordo com as informações do veículo, diplomatas e cientistas americanos visitaram o lugar em 2018 e ficaram preocupados com as fragilidades.

Os especialistas foram ao laboratório em janeiro daquele ano e, depois, enviaram dois telegramas diplomáticos (relatórios) ao governo em Washington. Esses documentos afirmariam que o instituto não tinha condições de segurança adequadas e que os estudos com coronavírus eram arriscados.

Os diplomatas, em seus relatos, pediam mais atenção ao tema, além de ajuda para lidar com problemas de segurança no WIV. Ainda segundo o texto do Washington Post, o grupo disse estar preocupado com a falta de treinamento dos funcionários do laboratório.

Principal pesquisador do WIV, Shi Zhengli negou a possibilidade do novo coronavírus ter começado no instituto. Um estudo publicado na revista científica Nature também contesta os rumores e afirma que a covid-19 não foi desenvolvida em laboratório.

De acordo com o chefe do Estado Maior das Forças Armadas dos EUA, o general Mark Milley, as investigações ainda são inconclusivas. "A origem do Sars-Cov-2 ainda é um mistério, mas o peso das evidências indica que o novo coronavírus é natural e não foi criado em um laboratório", comentou, na última quinta-feira (16).

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas