Estradas ruins? Confira dicas de direção para rodar em pisos irregulares

bahia
28.08.2021, 06:10:00
Guiar em estradas com asfalto deteriorado ou sem pavimentação exige alguns cuidados e atenção redobrada (Foto: Antônio Meira Jr./ CORREIO)

Estradas ruins? Confira dicas de direção para rodar em pisos irregulares

A manutenção precisa ser antecipada e os pneus e a suspensão devem ter cuidados extras

Quem já fez uma viagem para o Vale do Capão, na Chapada Diamantina, ou para uma vila nos arredores de Trancoso, no litoral sul do estado, sabe que o piso ruim é um problema para um carro de passeio convencional. O ideal para esses trajetos é um veículo com boa altura livre do solo para evitar raspadas no assoalho, por exemplo. 

Como ter um SUV ou uma picape na garagem para eventuais aventuras não é tão simples, é importante observar alguns aspectos ao adquirir o veículo que cabe no seu orçamento e tomar alguns cuidados para ampliar a vida útil dele. E, é claro, economizar com a manutenção.

Para um SUV com tração nas quatro rodas é mais fácil vencer os desafios causados pelas erosões (Foto: Antônio Meira Jr./ CORREIO)

Se você vai comprar um carro para uso em estradas sem pavimentação e ainda não pode ter um possante 4x4, não se preocupe. A primeira observação na hora da escolha é a distância entre o chão e a peça mais baixa do automóvel. É a tal altura livre. A dica é puxar a ficha técnica do carro no site do fabricante ou folhear as últimas páginas do manual do carro. 

Entre os carros zero-quilômetro mais baratos do país, o Renault Kwid (que custa a partir de R$ 47.690) é uma boa solução. São 18 centímetros de altura livre, a mesma distância de um Jeep Renegade flex, por exemplo. No mercado de usados, uma opção é o Fiat Uno Mille, que tem 19 cm (versão Way). Se o orçamento permitir, vá para o Hyundai HB20X (21,1 cm) ou Fiat Argo Trekking (21 cm).

O Hyundai HB20X é o hatch com maior altura livre do solo
O Hyundai HB20X é o hatch com maior altura livre do solo (Foto: HMB)
Entre os mais baratos, o Renault Kwid é o campeão no vão livre
Entre os mais baratos, o Renault Kwid é o campeão no vão livre (Foto: Antônio Meira Jr./ CORREIO)
No mercado de usados, o veterano Fiat Uno Way se destaca na altura do piso
No mercado de usados, o veterano Fiat Uno Way se destaca na altura do piso (Foto: Stellantis)

Outro item que deve ser observado são os ângulos de entrada, ou ataque, e saída. Quanto maior, melhor. Essa medida vai garantir que o veículo passe por uma valeta sem raspar os para-choques, por exemplo. 

Rodando por aí
Se você transita rotineiramente por trechos com muitas pedras, pode aumentar a pressão dos pneus em 5% para evitar cortes. No entanto, se o uso for em areia, é melhor ter menos pressão para melhorar a tração nesse tipo de piso. 

Se o uso for muito frequente nessas situações é possível adotar pneus de uso misto. Nesse caso, é importante verificar se seu carro está apto para isso. Se o pneu furou ou rasgou, procure um lugar seguro para efetuar a troca. Sinalize corretamente o local e veja se o piso está firme para apoiar o macaco e não correr o risco do carro desabar. Mantenha o estepe sempre calibrado para evitar surpresas.

Transitar por estradas mal conservadas exige muita paciência do motorista (Foto: Antônio Meira Jr./ CORREIO)

Na condução, seja prudente. Evite altas velocidades. Em pisos de baixa aderência, é mais difícil parar o carro, evitar uma quebra por causa de um buraco mais profundo ou fazer um desvio de trajetória com segurança. Se precisar frear subitamente, mantenha o volante reto para evitar a perda de controle.

Ao cair em uma valeta mais profunda, deve-se checar se está tudo bem com o veículo. O amortecedor, um dos componentes da suspensão, pode estourar se sofrer um impacto acima da sua capacidade. Quando isso acontece há vazamento de óleo, que pode melar a roda e assim atrapalhar a frenagem. Além disso, a quebra de um amortecedor compromete a estabilidade.

O excesso de poeira amplia a necessidade de fazer a manutenção em alguns componentes (Foto: Antônio Meira Jr./ CORREIO)

Quando as rodas acumulam muita terra, podem mudar o comportamento da direção, desbalanceando o sistema. Basta jogar uma água para evitar esse problema. Se você transita em locais com muita poeira, leve uma garrafa d’água para manter os faróis e lanternas sempre limpos, assim seu veículo estará mais visível. Lembre-se de rodar com as luzes acesas até mesmo de dia.

A lavagem geral também é importante. Na carroceria, é necessário cuidado para a poeira ou lama não riscar a pintura. Já na suspensão, nas rodas e nos demais componentes o excesso de sujeira pode prejudicar o desempenho.

Poeira demais pode interferir nos filtros de ar do motor e do sistema de climatização. Faça limpezas frequentes e consulte o manual do veículo para saber qual é o intervalo ideal para uma revisão em uso severo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas