EUA: George Floyd e policial que o asfixiou trabalharam juntos

brasil
29.05.2020, 14:15:00
Atualizado: 29.05.2020, 14:24:47
(Reprodução)

EUA: George Floyd e policial que o asfixiou trabalharam juntos

Os dois se conheciam há anos; caso gerou grandes protestos nos EUA

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O policial Derek Chauvin, que usou o joelho para pressionar o pescoço de George Floyd, que morreu depois de repetir várias vezes que não conseguia respirar, conhecia a vítima há anos. O caso foi em Minneapolis, nos EUA, e provocou protestos intensos por conta de mais uma morte de um homem negro em uma ação policial. 

Segundo Andrea Jenins, vice presidente do conselho da cidade, Floyd e Chauvin se conheciam há anos pois ambos trabalharam fazendo segurança em uma casa noturna, El Nuevo Rodeo. 

O caso está tendo bastante repercussão nos EUA. O presidente Donald Trump, que afirmou que o FBI iria investigar o comportamento dos policias no caso, que foi registrado em vídeo, voltou às redes sociais para criticar os protestos após a morte. Uma delegacia de polícia teve o prédio queimado por manifestantes.

Trump chamou os manifestantes de bandidos e afirmou que ofereceu apoio militar ao governador do estado, criticando o prefeito de Minneapolis, que é democrata. "Quando os saques começam, os tiros começam", escreveu o presidente. O Twitter sinalizou a mensagem por "glorificar a violência", o que vai contra os termos de uso da rede - Trump e a rede social estão envolvidos em uma disputa à parte. 

O ex-presidente Barack Obama usou o Twitter para convocar os americanos a criar um "novo normal" depois da morte de Lloyd. "É natural desejar que a vida 'só volte ao normal' enquanto uma pandemia e crise econômica acontecem ao nosso redor. Mas temos que lembrar que para milhões de americanos ser tratado diferente por conta da raça é trágica, dolorosa e irritantemente 'normal", escreveu. "Isso não devia ser 'normal nos EUA de 2020. Se queremos que nossas crianças creçam em uma nação que faça jus à sua mais alta ideia, podemos e devemos ser melhores", continuou. Já Joe Biden, que deve ser confirmado como indicação dos Democratas para a disputa presidencial, escreveu uma mensagem de apenas uma palavra: "Chega".

Artistas também se manifestaram. A cantora Taylor Swift criticou o posicionamento de Trump. "Após inflamar a supremacia branca e o racismo durante todo o seu governo, você tem a coragem de fingir superioridade moral antes de ameaçar com violência?", escreveu em seu Twitter. "'Quando os saques começam, os tiros começam'? Nós votaremos contra você em novembro",

Durante a cobertura dos protestos nesta sexta, uma equipe da rede CNN foi presa. Segundo comunicado da emissora, três jornalistas foram presos "por fazererem seu trabalho, mesmo se identificando". O correspondente Omar Jimenez foi liberado pouco depois.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas