Ex-marido jogou beach tênis horas antes de matar juíza na frente das filhas

brasil
04.01.2021, 08:15:44
(Reprodução)

Ex-marido jogou beach tênis horas antes de matar juíza na frente das filhas

Paulo José Arroenzi foi descrito como pessoa 'calma e risonha' por amigos

Nos instantes anteriores ao assassinato da juíza Viviane Vieira do Amaral, o ex-marido e principal suspeito do crime Paulo José Arroenzi agia como se não estivesse planejando nada macabro. Ele chegou a jogar beach tênis com amigos na Praia de Ipanema, no Rio de Janeiro.

Segundo o jornal Extra, três amigos que estiveram com ele na manhã de 24 de dezembro, véspera de Natal, prestaram depoimento na Delegacia de Homicídios. De acordo com as testemunhas, Paulo José, que era conhecido como "Risadinha", jogou uma partida de duplas com outros três amigos entre 10h e 11h, estava "bastante tranquilo e calmo" e, quando começou a chover, se despediu desejando "Feliz Natal" aos demais presentes. 

Cerca de sete horas depois, o engenheiro mataria a juíza a facadas na frente das três filhas do casal, com idades entre 7 e 9 anos.

Em todos os depoimentos, Paulo é descrito como uma pessoa "tranquila" e "sociável". Dois dos amigos afirmam que nunca observaram "nenhum comportamento violento ou agressivo" por parte do engenheiro. Um deles lembra que o apelido de Paulo, "Risadinha", se deve ao fato de Paulo José "ser uma pessoa risonha e de bem com todos". Ele chega a lembrar que, durante uma conversa na manhã do crime, o engenheiro chegou a dizer "que não sabia onde comeria rabanada naquela noite".

Apesar da imagem passada aos amigos, um vídeo gravado na época da separação mostra o lado agressivo de Paulo. Revoltado com o término, ele encheu malas com roupas da mulher e das filhas e as arremessou por cima da grade do prédio para onde a juíza se mudou, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio. 

Viviane foi à delegacia e alegou que o ex-marido também a empurrou para forçar a entrar no local. Depois da cena, Viviane, assustada, pediu ao Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ) que disponibilizasse uma escolta que pudesse acompanhá-la. Um mês antes do crime, ela dispensou a escolta.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas