Explosão em metrô de Londres deixa 22 feridos

mundo
15.09.2017, 08:53:00
(AFP)

Explosão em metrô de Londres deixa 22 feridos

Incidente foi causado por bomba caseria. Polícia prevê ato terrorista

Nesta sexta-feira (15), 22 pessoas foram hospitalizadas com ferimentos causados pela explosão de uma bomba caseira dentro de um metrô de Londres, na Inglaterra. Passageiros sofreram queimaduras no rosto e nas pernas, além de cortes, segundo informaram os serviços de emergência. Os ferimentos dessas 18 pessoas não são graves.

A explosão, seguida de incêndio, foi provocada por um recipiente branco que estava dentro de uma bolsa de supermercado, em um vagão de um trem com capacidade para 865 passageiros.

O fato ocorreu às 8h20 (hora local, 4h20 em Brasília), na estação de Parsons Green, no trecho externo da linha District Line, linha verde, que foi suspensa parcialmente, entre as estações de Wimbledon e Earls Court. A linha é uma das mais movimentadas e fica em um bairro residencial, a sudoeste de Londres.

Testemunhas disserem que viram uma bola de fogo. Um passageiro, identificado como Lucas, disse à "BBC" que escutou uma explosão muito forte e que viu "pessoas com ferimentos leves, queimaduras no rosto, braços e pernas".

A Transport for London (TfL), que opera o metrô da capital britânica, afirmou que investiga o incidente na estação e pediu aos passageiros que normalmente utilizam a linha District Line que busquem outras alternativas de transporte.

Os serviços de emergência britânicos chegaram à estação, localizada em uma das principais linhas do metrô londrino, logo depois do incidente, que ocorreu por volta das 8h20. "Enviamos muitos recursos para o local, inclusive ambulâncias, agentes de resposta de incidentes e uma equipe especializada em substâncias perigosas", disse Natasha Wills, porta-voz do Serviço de Ambulâncias de Londres.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, vai fazer à tarde uma reunião do comitê de emergência Cobra, formado pelos principais ministros do governo.

A polícia disse que trata o ocorrido como um "incidente terrorista", que provocou uma "bola de fogo" em um trem repleto de passageiros. Peritos estão no local e casas próximas ao incidente foram evacuadas.

Testemunhas

Por enquanto, não há informações que confirmem que se trata de um atentado terrorista. Diversos passageiros afirmaram que escutaram gritos e viram luta entre as pessoas que tentavam utilizar as escadas para sair da estação.

"Eu acredito que todos ficaram feridos pelo artefato, ou seja o que for", disse Richar Aylmer-Hall, de 53 anos, que viajava em um trem no momento do incidente.

"Houve pânico enquanto as pessoas se afastavam do trem, ouvindo o que parecia ser uma explosão. Houve muito pânico", comentou Riz Lateef, que estava em Parsons Green.

Outra testemunha, chamada Sham, afirmou ter visto um homem com o rosto todo ensanguentado e disse que havia gente chorando. "Havia muita gente coberta de sangue e mancando. Vi um homem com o rosto coberto de sangue. Nunca vi algo assim", afirmou.

Peritos trabalham no local da explosão
Peritos trabalham no local da explosão (AFP)
Polícia investiga ato terrotista
Polícia investiga ato terrotista (AFP)
Linha foi suspensa parcialmente, entre as estações de Wimbledon e Earls Court
Linha foi suspensa parcialmente, entre as estações de Wimbledon e Earls Court (AFP)
Trecho externo da linha District Line, na estação de Parsons Green
Trecho externo da linha District Line, na estação de Parsons Green (AFP)
Estação fica em um bairro residencial, a sudoeste de Londres
Estação fica em um bairro residencial, a sudoeste de Londres (AFP)
Bomba caseira usada para causa explosão dentro do metrô, na estação District Line
Bomba caseira usada para causa explosão dentro do metrô, na estação District Line (AFP)

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas