Facção criminosa é responsável por mortes de fisioterapeuta e zelador na região de Coutos 

salvador
06.01.2022, 05:00:00
(Bruno Wendel/CORREIO)

Facção criminosa é responsável por mortes de fisioterapeuta e zelador na região de Coutos 

Crimes abalaram região do Subúrbio nesse início de ano

Além do fator violência e as proximidade dos bairros das vítimas, as mortes da fisioterapeuta Valéria Maria Cardoso dos Santos Teles, 37 anos, e do zelador Luís Cláudio Amorim Lima, 50 anos, estão ligadas por mais um motivo. Eles foram baleados por integrantes do mesmo grupo criminoso, o Bonde do Ajeita,  segundo a polícia. 

Nas primeiras horas de 2022, a fisioterapeuta foi morta em Alto de Coutos, quando foi atingida por uma bala perdida. Na hora, bandidos comemoram a virada do ano com rajadas de tiros. Na noite desta madrugada desta quarta-feira (5), o zelador tomava um ar na porta de casa e foi baleado duas vezes por criminosos que circulavam em bando. 

"Esse grupo costuma se esconder na localidade da Rocinha, uma área de morro e que faz dívida com Alto de Coutos e Fazenda Coutos III. A polícia vem intensificando as ações na área, mas essas regiões têm muitas ocorrências e eles aproveitam o espaço de tempo quando estamos ausentes. Aí eles chegam num bonde de 10, 15 e até 20 homens armados", disse um sargento da 19° Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Paripe). 

Segundo ele, o líder da facção é o traficante Ednei, que vem disputando o território com  Bonde do Maluco (BDM), organização criminosa que luta para se manter nos dois bairros, após a entrada do grupo rival na Rocinha. "Eles estão fazendo isso direto, agindo com muitos homens armados para fazer frente aos rivais que são também de um grupo forte", disse o PM. 

Ainda de acordo com o policial, boa parte dos integrantes do Bonde do Ajeita que atua na região de Coutos já foi identificada e a polícia atua para tentar localizá-los e prendê-los. 

Procurada, a Polícia Civil informou que os casos estão sob investigação da 3ª Delegacia de Homicídio (DH/Baía de Todos os Santos). "Oitivas já foram realizadas e outras ações de inteligência vêm sendo desenvolvidas pela unidade, com o objetivo de chegar a autoria dos homicídios. Detalhes dos casos não estão sendo divulgados, para não interferir no andamento das apurações".

Morte de zelador
Amparada por moradores, uma das irmãs do zelador Luís Cláudio Amorim Lima, 50 anos, disse que ele estava na porta de casa 'tomando um ar fresco', no bairro de Fazenda Coutos III, quando foi baleado. Ele morreu na madrugada desta quarta-feira (5). Ela já havia o advertido do risco de ficar ali, por conta da violência na região. 

"Como o ventilador estava quebrado, ele saiu para tomar um ar fresco na porta de casa. Mas a gente já havia dito pra ele parar com essa mania, por causa dessa violência que está aqui o bairro, mas ele não ligava. Ele era uma pessoa muito antiga, do tempo que se dormia com as portas e janelas abertas", contou a irmã.

Inicialmente, moradores disseram que Luís Cláudio foi vítima de bala perdida, o que depois foi corrigido pelos parentes.

"Não foi de longe, foi de bem perto. Ele foi acertado duas vezes. Provavelmente não acharam quem queriam  matar e fizeram essa maldade com ele. Queremos justiça", disse ela.

O zelador foi baleado na Rua A, uma transversal da Rua Cristóvão Barreto, onde dezembro do ano passado,  quatro pessoas foram baleadas, entre elas uma criança de 4 anos e um adolescente de 17. No dia , bandidos chegaram em um carro branco e disparam aleatoriamente. A criança e o adolescente participavam de um churrasco.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas