Família de homem achado vivo em necrotério isenta hospital de erro e crê em milagre

salvador
26.08.2014, 06:43:00
Atualizado: 26.08.2014, 08:20:08

Família de homem achado vivo em necrotério isenta hospital de erro e crê em milagre

Valdelúcio já estava de funeral marcado quando seu irmão desconfiou que ele ainda respirava. A família e o paciente creem em milagre de Irmã Dulce

Em duas horas, uma família saiu da dor de perder um ente querido para a alegria de uma “ressurreição”. Eram 23h07 do último sábado quando a médica Carolina Magalhães, que estava de plantão no Hospital Geral Menandro de Farias, em Lauro de Freitas, constatou a morte de Valdelúcio de Oliveira, 54 anos. Duas horas mais tarde, ele estava enrolado em um lençol na sala de necrotério, porém, vivo. 

Valdelúcio de Oliveira, 54 anos, foi dado como morto após batalha com câncer
(Foto: Acervo Pessoal)

Até a ressurreição, foram mais de 12 horas no hospital, com o quadro piorando desde a chegada, no final da manhã. A situação complicou quando ele teve duas paradas cardiorrespiratórias. Os médicos tentaram reanimá-lo, mas nenhum dos procedimentos deu certo. Os seis meses de luta contra um câncer avançado na laringe pareciam acabar ali. 

Notícia

A tia de Valdelúcio Áurea Gonçalves, que mora com ele, foi avisada da morte e deu a má notícia aos demais familiares que esperavam por informações do parente. Diante disso, com o atestado de óbito em mãos, os parentes foram cuidar dos procedimentos para realizar o funeral no dia seguinte.

Recibo da funerária: R$ 1,9 mil gastos com caixão serão doados à Osid
(Foto: Almiro Lopes)

Depois de ir à funerária acertar os detalhes do enterro e fazer o pagamento pelo caixão, o irmão de Valdelúcio, o engenheiro agrimensor Waltério de Oliveira, voltou ao hospital. Era um momento de muita dor e ele lembra que ainda estava incrédulo com a morte do irmão. A pedido da tia, foi ao necrotério do Menandro de Farias deixar a última roupa que o irmão vestiria. Foi quando aconteceu o inesperado.

Antes de se aproximar, Waltério olhou para o corpo do Valdelúcio já enrolado com um lençol, quando viu que algo se mexia. “Fiquei olhando e já percebi elevando a caixa toráxica. Aí eu pensei: ‘eu já devo estar tendo uma alucinação’. Aí, parei novamente e vi que ele estava respirando. Falei com a minha esposa, que também duvidou”, conta Waltério. Mas não era alucinação.

Fiquei olhando e percebi elevando a caixa toráxica. Aí pensei: ‘Eu devo estar tendo uma alucinação’
Waltério, sobre susto ao ver irmão respirar no necrotério

Valdelúcio estava vivo, depois de mais de duas horas enrolado no lençol, com algodões no nariz, ouvidos e também na traqueia, a qual havia sida perfurada para possibilitar a respiração. “A médica que tinha dado atestado de óbito constatou que ele tinha voltado. Ela e toda a equipe médica levaram  ele para a sala de reanimação e começaram todo o procedimento novamente”, relata. Enquanto Valdelúcio era retirado do hospital, Waltério corria pelos corredores para contar ao resto da família, que ainda sofria com a dor da perda.

Outro lado

Enquanto a família sofria por sua morte, Valdelúcio conhecia o “outro lado”. Depois do susto, a tia, Áurea, contou a ele o que tinha acontecido. E, então, novas surpresas: se comunicando por bilhetes em um caderninho, Valdelúcio contou o que teria visto enquanto “dormia” no necrotério.

No caderno, conta que viu a mãe e outros parentes já mortos. Mas a mãe teria lhe dado um recado especial: se apegar à fé em Irmã Dulce. “Eu vi minha mãe dizendo: ‘filho, se apegue a ela e será salvo’”, escreveu no caderninho.

Waltério mostra certidão de óbito emitida para o seu irmão, Valdelúcio

A relação dele com a Bem-Aventurada começou logo quando foi diagnosticado com câncer, há seis meses. Valdelúcio chegou a fazer tratamento no Hospital Santo Antônio, das Obras Sociais Irmã Dulce, durante quatro meses. Nos últimos tempos, o quadro dele tinha piorado muito e ele se alimentava apenas por sonda e respirava por traqueostomia.

A tia, que o acompanha, comprou uma imagem da beata no início do tratamento. “Eu sentei com ele na igreja, assisti a toda a missa. Comprei uma imagem  e  botei no quarto dele. E sempre perguntava se ele tinha rezado para ela”, conta.

Depois da ‘ressureição’, ele foi transferido na manhã de ontem para o Hospital Santo Antônio, onde permanece internado. Segundo a assessoria da unidade, Valdelúcio está na enfermaria e somente nos próximos dias deve ser transferido para a UTI.

Milagre  

Para os parentes, não existe a possibilidade de erro médico -  eles creem na hipótese de milagre. O representante comercial Eduardo Valadares, primo de Valdelúcio, ainda parece não acreditar em tudo que viu acontecer em poucas horas. “Fui fazer a declaração de óbito, eles terminando de tirar tudo, vi que ele estava morto, com o tórax para dentro. Vi colocando algodão, lençol, acompanhei tudo, amarrando ele e depois ter essa surpresa”, comenta.

Para Waltério, foi algo que vai além da nossa possibilidade de compreensão. “Acredito que tenha algo sobrenatural, em função da situação que ele estava. Imagine colocar uma pessoa normal numa situação daquela por 1 hora e meia. Agora, ele, que já tinha dificuldade de respirar e estava com algodão na traqueia, conseguiu ficar ali por duas horas. Ele podia morrer ali mesmo”, aponta.

Valdelúcio é de Itabuna, mas mora há 20 anos em Salvador. Com a notícia da morte, muitos familiares vieram à capital para acompanhar o que seria o enterro, mas tudo acabou como uma grande festa na frente do hospital.

Família diz que não houve negligência; Cremeb e Sesab irão investigar

A família de Valdelúcio garante que a equipe médica do Hospital Menandro de Farias, onde foi apontado o óbito, não foi negligente.  Segundo os familiares, o que houve foi um grande susto dos médicos com o ocorrido.

“A médica ficou apavorada. Ela não entendeu como podia ter acontecido uma coisa dessas. Virou-se para mim e disse ‘você deve ter muita fé em Deus, porque isso é um milagre’. Mas os médicos fizeram tudo que podiam para reanimá-lo e não conseguiram”, conta Áurea Gonçalves, tia do paciente.

Áurea Gonçalves, que sempre pediu ao sobrinho para confiar sua recuperação a Irmã Dulce, ontem na Osid, agradecendo o que chama de milagre
(Foto: Almiro Lopes)

Apesar disso, o Conselho Regional de Medicina da Bahia (Cremeb) vai apurar o caso. “Vamos ter que nos dirigir ao diretor do hospital, pedir o prontuário e falar com a médica para analisar tudo isso e ver se cabe realmente abrir uma sindicância, que é um inquérito inicial para ver se há indício de irregularidade”, explica o conselheiro corregedor do Cremeb, Marco Antonio Almeida.

Em função da situação que ele estava, acredito que tenha algo sobrenatural
Waltério, irmão, que também crê em milagre

A câmara de sindicância é quem vai decidir se vai ser aberto um processo contra a médica ou se a sindicância vai ser arquivada. “Nós temos obrigação, em nome da sociedade, de zelar pela boa prática médica”, afirma o representante do conselho. Almeida ainda tenta entender o que aconteceu nos procedimentos.

“O que pode ter ocorrido, e não estou querendo fazer juízo de valor, a priori, é que talvez não tenha sido feito a pesquisa, se é que ocorreu, correta dos sinais de morte, que é o que nós chamamos de comprovação ou constatação do óbito, que tem que ser feito pelo médico”, explica o corregedor.

Mas Almeida também considera que a profissional pode ter feito os procedimentos corretamente. “Pode ser que ela (a médica) tenha feito todas as manobras e achou que não havia mais vida naquele corpo e tenha decidido encaminhar para necropsia, que foi o que eu vi pela imprensa”, relata. Depois da repercussão do caso na imprensa, a Secretaria Estadual da Saúde (Sesab) informou, por meio de nota, que uma sindicância será aberta para investigar o caso.

Além disso, a diretora geral do HGMF, Margarida Miranda, iria se reunir com toda a equipe que atendeu o paciente e também com a diretoria da Sesab para esclarecer todo o procedimento pelo qual passou o paciente em questão. De acordo com a assessoria da secretaria, ninguém pode comentar o caso porque a investigação é sigilosa.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cronicas-do-guerreiro-dia-2-a-fuga-do-deposito/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/neymar-sera-desfalque-no-carnaval-2020-dessa-vez-sem-polemica/
Craque brincou com a situação em vídeo no Instagram; em 2019 ele estava em Salvador
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/claudia-leitte-vai-abrir-desfile-icada-nesta-sexta-feira-21-assista/
Cantora comanda bloco Blow Out, no circuito Dodô (Barra-Ondia)
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cid-gomes-tem-quadro-clinico-estavel-diz-boletim-medico/
Cid foi baleado durante um protesto de policiais militares no Ceará
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/minuto-de-carnaval-pipocas-de-saulo-e-anitta-e-novidade-na-barroquinha/
Quadro é apresentado pelo chefe de reportagem Jorge Gauthier
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/do-paredao-para-o-trio-o-poeta-e-la-furia-levam-pagodao-a-barra/
Bandas foram umas das últimas a se apresentar na noite desta quinta (20)
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/veja-o-que-rolou-de-melhor-no-primeiro-dia-do-carnaval/
Muita pipoca, Claudinha de guarda, volta de Brown...
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/claudia-leitte-usa-look-em-homenagem-as-guardas-municipais-de-salvador/
A loira chegou ao circuito escoltada por uma viatura da Guarda Municipal
Ler Mais