FCA cobra frete caro e força mineradoras baianas a escoar por caminhão

estúdio correio
19.02.2021, 06:00:00
Atualizado: 24.02.2021, 19:02:57

FCA cobra frete caro e força mineradoras baianas a escoar por caminhão

Trecho que concessionária considera “sem demanda” entre Juazeiro e Aratu teve mais de 2,2 milhões de ton de minérios transportados pela estrada em 2020

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Mineradoras nos municípios de Juazeiro, Jaguarari e Campo Formoso, região norte da Bahia, produziram e transportaram por caminhão mais de 2,2 milhões de toneladas de minérios em 2020. Apesar de haver opção ferroviária passando pelos três municípios e indo até o Porto de Aratu, próximo a Salvador, as empresas consideram o frete cobrado pela concessionária VLI proibitivo e preferem enviar por caminhão os materiais extraídos e processados.

Segundo levantamento feito pela Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM) na base de dados de da Agência Nacional de Mineração, apenas o calcário produzido em Campo Formoso, importante produtor de cimento no estado, somou 1,1 milhão de toneladas. A lista de minérios que poderiam ir de trem para o porto inclui quartzo, cobre, cromo, areia e argila, dentre outros.

Para o presidente da Mineração Caraíba, Manoel Valério, a revitalização da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) é fundamental para reduzir os custos de transporte da empresa. “Antigamente, o nosso concentrado de cobre era escoado pela ferrovia. Mas o custo ficou simplesmente inviável em relação ao transporte rodoviário. O que é um contrassenso, já que a ferrovia poderia transportar não só produtos de mineradoras da região, como Ferbasa, fábricas de cimento, mas também produtos agropecuários e combustíveis”, diz Valério.

VLI quer administrar ferrovia por mais 30 anos
Gerida pela VLI desde 1996, a FCA entrou no radar dos baianos no início de fevereiro deste ano por conta de uma consulta pública realizada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), sobre a renovação da concessão por mais 30 anos. Uma das vozes dissonantes foi a do presidente da CBPM. Para Antonio Carlos Tramm, a concessionária não trouxe benefícios para a Bahia e a concessão não pode ser aprovada sem que haja garantias de investimento e reativação da malha no estado.

“Já que em todos esses anos de vigência do contrato não foram tomadas providencias para melhorar a malha, por que não se estuda o desmembramento desta rede oferecida para que se façam duas ou três concorrências separadas? Quanto de carga produzíamos antes e quanto produzimos hoje? Nosso agronegócio hoje traz 20 milhões de toneladas pela rodovia até o porto de aratu. A VLI se queixa de não ter carga e eu me queixo de não ter trem para colocar carga”, disse Tramm.

Esse conteúdo conta com o apoio institucional da CBPM.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas