Feriado de Corpus Christi: ocupação de UTI em 83% e de hotéis em 100% 

minha bahia
02.06.2021, 05:30:00
Praia de Arembepe, em Camaçari, tem alta procura pelos turistas (Divulgação/Prefeitura de Camaçari)

Feriado de Corpus Christi: ocupação de UTI em 83% e de hotéis em 100% 

Litoral Norte, Itacaré, Porto Seguro e Chapada atraem visitantes no feriadão 

A pandemia da covid-19, que já somou mais de 21 mil mortos na Bahia e deixa, atualmente, 83% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ocupados no estado, não impede turistas de planejarem o feriadão de Corpus Christi. No Litoral Norte, próximo a Salvador; no Sul, em Porto Seguro e Itacaré; ou na Chapada Diamantina, hotéis e pousadas já estão com a lotação máxima nas reservas.  

Segundo a secretária de turismo de Camaçari, Cristiane Bacelar, pelo menos 10 hotéis da cidade estão nessa situação. O município da Região Metropolitana de Salvador é visado pelas praias de Itacimirim, Guarajuba e Arembepe. Frequentar esses locais nos finais de semana está proibido por decreto municipal. Para o feriado, um novo decreto foi emitido, estendendo a interdição também na quinta-feira (3).   

A cidade segue ainda o decreto estadual que proíbe a venda de bebidas alcoólicas entre 20h da sexta-feira e 5h da manhã de segunda. Há ainda o toque de recolher a partir das 22h, de segundas às quartas, e às 20h, de quinta a domingo, até 5h do dia seguinte. As exceções são o deslocamento para serviços de saúde ou farmácias. 

Outras restrições ocorrem no comércio, que deve fechar as atividades 30 minutos antes do toque de recolher. Os restaurantes e bares encerram o atendimento presencial às 19h, e os serviços de entrega podem seguir até 00h. Música ao vivo está proibida. Os salões de beleza, barbearias, estúdio de tatuagem e shoppings fecham às 19h (exceto delivery). 

Apesar das restrições, a cidade está “de braços abertos para receber os turistas”, diz Cristiane Bacelar. “Sempre tem um aumento de fluxo durante os feriados, mas, desde o início da pandemia, a gente teve um aumento no fluxo de pessoas, porque aqui é destino de segunda residência, então muita gente veio se refugiar aqui e resolveu ficar, se tornando até a primeira residência”, conta a secretária de turismo de Camaçari.  

Com os serviços em funcionamento, a aposta da prefeitura é no trabalho de fiscalização. “Camaçari é um município muito extenso, temos duas entradas, com uma grande extensão territorial, são mais de 42 km de praia, então é complicado dar conta de tudo, mas conseguimos fiscalizar dentro de nossa capacidade, com as equipes das secretarias de desenvolvimento urbano”, explica Cristiane.  

A preocupação maior é justamente com a clandestinidade e festas do tipo paredão. “É problema em qualquer lugar. Mesmo com uma campanha massiva de conscientização, pedindo para os moradores denunciarem, as pessoas não têm bom senso e querem se aglomerar. Elas não entendem que o momento é de aumento do contágio e que precisamos do apoio da comunidade”, pontua a secretária.  

A corretora Priscila Sastre, dona da imobiliária Guarajuba Negócios há 10 anos, confirma que a procura para aluguel de casas e apartamentos aumentou nesta semana em Guarajuba. “Comecei a perceber que o pessoal estava procurando e me lembrei que era feriadão. A procura aumentou bastante e 90% das pessoas que alugam são de Salvador”, revela.  

Priscila ainda conta que mais famílias, ao invés de grupos de amigos, buscam a locação: “As pessoas estão vindo com família, sem aqueles grupos grandes. Por isso que aumentou muito a procura por apartamento ao invés de casas. Esses apartamentos hoje são tipo um clube, com restaurante, piscina, então tem todo o tipo de infraestrutura, e é próximo da praia”. Dos 15 apartamentos, somente dois estão disponíveis. Das seis casas, metade está locada.  

Já em Praia do Forte, no município de Mata de São João, não há qualquer restrição para o turismo. Segundo a assessoria da prefeitura, turistas não são maioria entre os que circulam na vila. A maior parte são os moradores de segunda residência - os que resolveram fazer da casa de temporada a principal durante a pandemia. 

“Praia do Forte e Imbassaí têm características peculiares. A grande maioria do público de feriados é de pessoas que possuem residências ou vão para residências de terceiros. A quantidade de imóveis de segunda residência é muito grande e não temos como barrar, restringir ou criar condicionantes para pessoas que estão indo para suas casas. O que temos feito é uma fiscalização rígida, com exigência de uso de máscaras, não deixando aglomerações”, esclarece a prefeitura.  

As praias, ao contrário de Camaçari, estão liberadas todos os dias, assim como a venda de bebida alcoólica. Os estabelecimentos comerciais, como bares e restaurantes, só podem funcionar com 50% da capacidade de clientes e até 22h, horário do toque de recolher. Músicas ao vivo estão proibidas. As medidas vigoram até 7 de junho. Em geral, os comerciantes têm colaborado com as equipes de fiscalização. Contudo, entre multas e notificações, já foram mais de 400 desde o início da pandemia.  

Na cidade de Jandaíra, ainda no Litoral Norte, não haverá medidas restritivas além do reforço dos protocolos de segurança, como distanciamento, máscaras, medição da temperatura e álcool em gel. O comércio tem que fechar às 18h, mas os bares e restaurantes não têm restrição de horário. Segundo o secretário de turismo, Luciano Salgado, a movimentação é baixa durante a noite, portanto, não precisaria decretar um limite de funcionamento ou mesmo de capacidade.  

“Tudo está funcionando normalmente em Mangue Seco. Independente de pandemia, os restaurantes têm movimento mais durante o dia, por causa das praias, mas, de noite, é devagar, poucos saem, então eles funcionam até umas 22h. E o espaçamento não precisa, porque tem suficiente, não lota”, diz Salgado.

Os hotéis e pousadas também não têm limite de ocupação de quartos. O secretário diz que todos estão cheios. “Se ligar agora atrás de vaga, não acha mais”, conta. São seis pousadas em Mangue Seco e duas em Coqueiro, o outro povoado. A única coisa que não pode é música ao vivo, para evitar aglomerações. O toque de recolher também não se aplica na localidade.  

Salgado ainda reforça que nos distritos só houve um caso, que a maioria é na cidade. De acordo com o último boletim epidemiológico, são 549 casos confirmados até agora, sendo 535 recuperados e 14 mortes. Outros 22 pacientes estão em monitoramento. Jandaíra tem pouco mais de 10 mil habitantes.  

Sul da Bahia tem procura tímida de turistas 
No Sul da Bahia, a procura de turistas pelo refúgio existe, mas não é tão movimentada como no Litoral Norte. Em Porto Seguro, alguns hotéis estão com ocupação entre 50 e 70%, como na Rede Porto Firme de Hotéis. “O feriado de Corpus Christi é facultativo e não chega a ser feriado aqui em Porto Seguro, então a procura está tímida, na faixa de 50% de ocupação”, diz Ivan Bahia, gerente geral da Rede, que tem mais de 200 apartamentos, nos dois hotéis que estão abertos. 

Em maio, em contrapartida, e para o dia dos namorados, as reservas foram e estão em alta. “Maio foi um mês espetacular, fechamos com 70% de ocupação e, em junho, pensamos em alcançar o mesmo. Nos outros anos, o mês de maio era sempre mais fraco, em torno de 40%. No Bangalô do Arraial D’Ajuda, já estamos com 90% de ocupação para o dia 12”, comenta Bahia.  

Em Itacaré, as praias estão permitidas para o acesso, mas os bares não podem comercializar bebidas alcoólicas a partir da noite de sexta-feira, como determina o decreto estadual. Os proprietários de meios de hospedagem procurados não relataram alta procura, mas um movimento normal. A prefeitura não respondeu sobre o assunto até o fechamento da matéria.  

Segundo o presidente da Federação Baiana de Hospedagem e Alimentação (FEHBA), Silvio Pessoa, no geral, a procura está baixa. “A procura está tímida, caiu bastante depois que anunciaram medidas restritivas. As pessoas não vão para uma cidade que tem toque de recolher, que não tem restaurantes à noite, que não podem beber e as praias estão fechadas”, afirma.

Chapada Diamantina tem restrições
Na região da Chapada Diamantina, algumas restrições além do decreto estadual foram aplicadas. Em Lençóis, aqueles turistas que vêm com excursão, só podem entrar na cidade após comprovar uma reserva em um meio de hospedagem. Além disso, os hotéis só podem funcionar com 60% da capacidade. Todos os atrativos de Lençóis estão abertos para visitação, desde que os visitantes sigam as medidas de distanciamento e uso de máscara.  

A prefeitura de Lençóis disse ainda que, para o final de semana de feriado, deve reforçar a fiscalização das medidas de prevenção, com agentes circulando a cidade exigindo o uso de máscara. Em Mucugê, também funciona o toque de recolher do governo estadual e todas as outras recomendações.  

O CORREIO procurou as prefeituras de Esplanada, Porto Seguro e Entre Rios, porém, não teve responde sobre o assunto até o fechamento da matéria. A reportagem também procurou o Booking, que não quis revelar dados sobre as reservas “em função do cenário instável da pandemia”. A Airbnb não respondeu.  

*Com a orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas