Filas da esperança: baianos aguardam horas para apostar na Mega-Sena

salvador
11.05.2019, 15:06:00
Atualizado: 11.05.2019, 15:26:06

Filas da esperança: baianos aguardam horas para apostar na Mega-Sena

Sorteio de R$ 275 milhões ocorre neste sábado; espera em Salvador passou de 1h30

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Foto: Marina Silva/CORREIO

O sorteio do terceiro maior prêmio já pago pela Mega-Sena na história (o maior, tirando as Megas da Virada) voltou a formar filas gigantescas nas casas lotéricas de Salvador, na manhã deste sábado (11). Apostadores foram aproveitar as últimas horas para fazer a fezinha e tentar ganhar a bolada, acumulada por 14 rodadas consecutivas.

O sortudo ou sortuda que acertar sozinho as seis dezenas que serão sorteadas logo mais, à noite, levará o prêmio de R$ 275 milhões.

(Foto: Marina Silva/CORREIO)
(Foto: Marina Silva/CORREIO)
(Foto: Marina Silva/CORREIO)
(Foto: Marina Silva/CORREIO)
(Foto: Marina Silva/CORREIO)

A bolada acabou levando para as filas das lotéricas jogadores de primeira viagem. É o caso de Kelly Aguiar, 30 anos, que é auxiliar em uma creche e não costuma jogar.

“Mas aí, quando tem um premiozão desse, a gente tem que vir, né?”, justificou.

A auxiliar diz que se ganhar a bolada quer deixar o país e ir “para algum lugar melhor”.

Assim como Kelly, Miguel Ramos, 50, sabe bem o que faria com o dinheiro caso ganhasse, pelo menos para começar.

“Eu ia passar uns dois meses só viajando”, contou Ramos, que é porteiro.

Ele se preparou para fazer seis apostas de seis números. A aposta mínima custa R$ 3,50, e para concorrer no sorteio deste sábado, os jogos devem ser realizados até as 19h.

Expectativa
Quem vai ficar de frente para a televisão na hora do sorteio é o aposentado Amilton Barbosa, 56. Jogador habitual, ele já transformou em tradição fazer a fezinha toda semana. Ele bate ponto na casa lotérica toda semana para tentar a sorte, mas conta que quando o prêmio acumula, a expectativa é maior.

“Vou torcer, se ganhar é dividir com a família, ajudar todo mundo”, contou.

Para enfrentar a fila que já durava mais de uma hora e fazia a volta no quarteirão quando o aposentado conversou com a reportagem do CORREIO, ele se preparou: levou banquinho e jornal para passar o tempo com conforto.

Já o pedreiro Jair Silva, 46, quer ficar calmo mesmo que receba a bolada. “Tem que esfriar a cabeça antes de fazer qualquer coisa, pra não se arrepender. Primeiro ganha, espera e pensa”, aconselhou.

Concordando com o concorrente, o cerimonialista Ailton Celestino, 21, não faria grandes mudanças na vida se virasse milionário. “Eu ia continuar trabalhando. Só que com outra visão né?”, ponderou.

*Com supervisão do editor João Galdea.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas