Filho de Flordelis volta atrás e nega ter matado pastor: 'Sou vítima'

em alta
29.09.2020, 19:53:00
Atualizado: 29.09.2020, 19:58:01
(Reprodução/Instagram)

Filho de Flordelis volta atrás e nega ter matado pastor: 'Sou vítima'

Flávio disse que só confessou o assassinato porque sofreu tortura na delegacia; juíza diz que advogados não denunciaram suposta agressão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Acusado pela morte do pastor Anderson do Carmo, Flávio dos Santos Rodrigues, filho da deputada federal Flordelis (PSD-RJ) voltou atrás e negou ser autor do crime. As declarações foram dadas por ele durante interrogatório, na manhã desta terça-feira (29), à Justiça do Rio de Janeiro.

Flávio está no presídio de segurança máxima Laércio da Costa Pellegrino, Bangu 1, no Complexo de Gericinó, na zona oeste do Rio de Janeiro. Segundo o jornal Extra, ele participou da sessão virtual com a juíza responsável pelo caso. Anteriormente, o filho da deputada confessou ter atirado no pastor na garagem da casa da família.

“Eu não matei o Anderson. Não comprei a arma. Não participei de crime nenhum. Estou sendo uma vítima disso tudo. Estava no local errado, na hora errada”, afirmou Flávio.

Ao ser questionado sobre qual local errado ele se referia, Flávio afirmou que era a casa da família, onde o crime ocorreu. A magistrada questionou ainda se o filho de Flordelis havia voltado atrás, uma vez que tinha confessado à polícia. Ainda de acordo com o Extra, Flávio alegou então que foi torturado na delegacia.

“Todo mundo tem conhecimento de como a polícia Civil do Rio procede. Eu, dentro da DH, fui torturado de todos os tipos de tortura que a senhora pode imaginar. Entravam na minha cela… Tortura psicológica, física. Dormi de cueca, em um chão frio, molhado, sem ter colchonete. Eu fiquei mais de 24 horas sem beber água”, falou.

Diante das declarações, a juíza questionou Flávio sobre o motivo dessa tortura não ter sido denunciada pelos advogados. A magistrada frisou ainda que, apesar do filho da Flordelis alegar que foi agredido, não ficou com nenhuma marca pelo corpo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas