Fogo no Parque Nacional da Chapada Diamantina destrói área de 2,4 mil campos de futebol

salvador
19.10.2018, 18:48:03
Atualizado: 19.10.2018, 18:59:50
(Foto: Divulgação/ICMBio)

Fogo no Parque Nacional da Chapada Diamantina destrói área de 2,4 mil campos de futebol

Fogo dura sete dias; incêndio pode impactar qualidade e quantidade de água, diz biólogo

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um incêndio que atinge há sete dias o Parque Nacional da Chapada Diamantina já destruiu 2.400 hectares - o que equivale a uma área de 2,4 mil campos de futebol. A informação é do coordenador de Prevenção e Combate do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o biólogo Christian Berlinck.

De acordo com o Christian, que coordena as operações no local, o fogo começou no dia 8 de outubro, dentro de uma propriedade privada na região da Chapadinha. A suspeita é de que tenha sido causado pelo proprietário do lugar. 

Pelo menos 130 pessoas - entre coordenação, brigadistas e voluntários -, além de quatro aviões-tanque do ICMBio e um helicoptero do Ibama, participam do combate ao fogo, que, segundo o biólogo, está "cercado".

"Estamos identificando a causa e o responsável pelo início [do fogo]. O incêndio está controlado, o fogo está cercado, mas todos os dias quando esquenta ocorrem reignições onde há muita matéria orgânica acumulada nas grotas entre as pedras", explicou Christian.

A estimativa é de que as esquipes permaneçam no local até o próximo domingo (21). "Existem brigadas contratadas do próprio parque, e do Parque Nacional de Brasília. Voluntários dos dois [parques], e os brigadistas do Prevfogo do Ibama", pontuou o coordenador do ICMBio, acrescentando que todos trabalham 24 horas por dia.
 

Incêndio é considerado de grandes proporções (Foto: Divulgação/ICMBio)

Água
Considerado de grandes proporções pelo ICMBio, o incêndio no Parque Nacional da Chapada pode causar impacto na qualidade e quantidade da água na Bahia, além de ser de "alta severidade, tanto para a fauna, quanto para a flora". 

Christian Berlinck explicou que, como os rios da Chapada abastecem outros rios que levam água para as grandes cidades do estado, a população pode sofrer as consequências.

"Há um impacto imediato, pois há maior escoamento superficial da água carreando solo e assoreando os rios", disse Berlinck. 

E completou: "E a médio e longo prazo ocorre menos infiltração, assim o solo absorve menos água e, consequentemente, vai haver menos agua para drenar ao longo do ano - que é o que mantém a quantidade de água estável". Segundo o biólogo, a questão da manutenção da água é um dos objetivos principais de unidades de preservação como o parque da Chapada.
 
O fogo chegou a atingir a pastagem de uma fazenda no de Cascavel, na zona rural de Ibicoara, também na Chapada Diamantina. No local, que fica ao Oeste do ponto inicial do fogo, o incêndio foi controlado em cerca de quatro horas. 

O CORREIO procurou o Corpo de Bombeiros mas não obteve retorno. 

Coordenação de combate ao fogo estima que incêndio deve ser totalmente controlado até domingo (21) (Foto: Divulgação/ICMBio)


 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048