Foliões na pipoca de Saulo elogiam revitalização do Campo Grande

carnaval
11.02.2018, 16:25:19
Saulo comandou pipoca no Campo Grande (Foto: Márcio Reis /Ag Haack )

Foliões na pipoca de Saulo elogiam revitalização do Campo Grande

"Sinônimo de respeito é essa pipoca. E é bem melhor assim, sem cordas", diz folião

Campo Grande. Sol de meio-dia pegando fogo, mesmo que o relógio marcasse o início das 14h. Assim, no meio dos raios, foi que Saulo começou a fazer luz com voz e batuques para a sua pipoca doce. Mas quem disse que o calor era agonizante? Estava cheio de gente, mas todo mundo dava um espacinho para o outro respirar. 

O cantor, que fez a passagem de som com a dupla AnaVitória, cantando a música Trevo, das tocantinenses, deixou gostinho de surpresa desde o início, reunindo uma galera com todas idades e tamanhos lá, embaixo do trio. A expectativa era, principalmente, para a nova música, Clareiamô, que nasceu da parceria do trio e ganhou clipe nessa sexta - veja no final da matéria.

“Você me disse que não vai preta!”, foi a primeira frase cantada que deu a largada para o trio sair do lugar. E a multidão só crescia. Foi um desafio para a física. Não tinha espaço, mas sempre tinha. Confuso? Quem estava lá, no meio da música Tudo Certo na Bahia, sabe que não tinha ‘empurra, empurra’ certo. Era só olhar e pedir licença pra passar. Era muvuca, mas o ventinho chegava, tinha lugar. 

(Max Haack/Ag Haack)
(Tiago Caldas /Ag Haack)
(Tiago Caldas /Ag Haack)
(Tiago Caldas /Ag Haack)
(Tiago Caldas /Ag Haack)
(Tiago Caldas /Ag Haack)
(Sérgio Pedreira/Ag. Haack)

Pipoca da paz
“Sinônimo de respeito é essa pipoca. E é bem melhor assim, sem cordas. Aqui temos muita família, olha aí! É bastante criança, adulto, todo mundo. Saber que todo mundo vai para o mesmo lugar é o que torna a pipoca tão segura, quando não tem isso de bloco. Ela é a única opção, então a galera se ajeita mais, com mais calma pra curtir”, ponderou Agnaldo Arcanjo, 45, que levou a filha Beatriz Arcanjo, de 8 anos, para o primeiro Carnaval da pequena. Junto com ele, a esposa Mariluci Mariuna, 40, que considera Saulo um poeta e estava na primeira pipoca do cantor.

A pequena Beatriz curtia a folia com a família
(Foto: Vanessa Brunt/CORREIO)

Elane Oliveira, 31, fã de Saulo desde menina, foi curtir a pipoca de Saulo com a filhota Olivia Soares, de um ano. Ela disse que Olivia dorme e acorda no meio do circuito o tempo inteiro, mas afirmou: “Tá tudo certo. Aqui no Campo Grande dá pra trazer ela e dá pra ela descansar assim, ainda mais nessa pipoca. A galera pula, mas olha pro lado, tem cuidado”. 

A pipoqueira ainda opinou sobre a violência que via nos blocos da Barra. “Hoje não vejo tanta violência como antes, mas a corda aperta, causa mais tumulto, mais raiva e exclusão. Aqui estamos tranquilos porque é onde todo mundo está ‘no mesmo lugar’”, afirmou.

Elaine levou a filhota para a festa
(Foto: Vanessa Brunt/CORREIO)

Além de trazer a nova MPB do duo parceiro e de cantar o repertório próprio, Saulo fez a mistura acontecer em cima do trio. A infância foi relembrada com músicas como Aquarela, enquanto era possível ver o amor bailando em beijos e abraços logo após, com o reggae Flores da Favela, de Jau. Maimbê Dandá, de Daniela, fez todo mundo se jogar pros lados, ainda que ninguém caísse.

Mais cedo, o prefeito ACM Neto fez um balanço sobre o aumento do número de blocos sem cordas na folia. "Temos 25% a mais de pessoas nas ruas. A cidade está absolutamente lotada, sem incidentes graves. Então, as coisas estão funcionando bem", afirmou o prefeito. "Esse movimento do trio sem corda, e da pipoca, é uma coisa que é natural.. A gente estimulou, é verdade, a prefeitura, a partir da minha gestão, trouxe esse modelo, que depois foi copiado em todos os lugares... A gente percebe que o folião quer isso", diz.

Circuito da tradição?
O casal Max Alves, 31, e Miza do Arte, 34, são fãs do artista justamente por essa recapitulação que ele faz em todos os shows. “Sempre tem uma música pra gente sentir nostalgia e isso sempre se mistura com alguma nova dele. Isso é Carnaval, não é? Misturar o novo e o velho, sem esquecer de um nem de outro”, balanceia o casal.

Max e Miza vão juntos para curtir a pipoca
(Foto: Vanessa Brunt/CORREIO)

Max utilizou Saulo como exemplo para afirmar que ele tem tudo a ver com o circuito Osmar, considerado o mais tradicional do Carnaval. “Após a revitalização, isso aqui está ainda melhor. Campo Grande está mostrando que faz um Carnaval atual excelente, sem perder a essência”, contou, para logo após finalizar enquanto caminhava dançando: “É muita gente e é a nossa primeira pipoca, pensamos que ia dar em perrengue, mas dá pra tirar muitos preconceitos e perceber que Carnaval também é paz. Todo mundo junto e muito respeito até agora".

Na grandeza do local, não dava para tirar os olhos de Luis Alberto, 28, Walter Alves, 35, e Renata Carvalho, 40, que trouxeram a amiga Gauthielly Silva, 33, de Forteleza, para a primeira pipoca de todos eles. Abraçando desconhecidos por cada canto, a alegria do grupo contagiava os arredores. "Por mais Carnaval sem cordas!", foi essa a frase que berraram em coro. Eles seguem Saulo há 3 carnavais. 

"Pipoca assim é maravilhoso. Família, curtição. Tudo junto. Nunca quis tanto voltar", disse Gau, afirmando que estava sendo possível paquerar e sentir um conforto de uma tarde de ‘Fuzuê’ ao mesmo tempo. “Parece aqueles carnavais das antigas que vemos nas fotos e, ao mesmo tempo, é tão diferente, não sei explicar”, pontuou.

Veja o clipe da nova música de Saulo e AnaVitória:

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas