Frank Tyneski: ‘Devemos reconhecer a diferença entre estar conectado e fazer uma conexão real com alguém’

agenda bahia
26.10.2018, 06:00:00
Atualizado: 26.10.2018, 12:26:11
Frank Tyneski vai compartilhar sua vasta experiência com o público do Agenda Bahia 2018 (Divulgação)

Frank Tyneski: ‘Devemos reconhecer a diferença entre estar conectado e fazer uma conexão real com alguém’

Designer norte-americano fará palestra de abertura do Seminário Humanize[se]

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O designer industrial e inventor norte-americano Frank Tyneski é do tipo que olha mais para as pessoas do que para as coisas. Ele acredita que o design serve para criar um futuro melhor para o planeta e quem vive nele. Presidente da RKS Design, empresa de inovação que atende desde startups até multinacionais, Tyneski comanda uma equipe multidisciplinar que usa a tecnologia não somente para construir objetos de desejo, mas criar histórias que favorecem as conexões humanas. 

“Nosso trabalho diário envolve o escopo de tecnologias emergentes e o planejamento de adaptações culturais”, explica o especialista, que conversou com o CORREIO, via e-mail, e antecipou um pouco do que apresentará em Salvador, ao público do Seminário Humanize[se], no dia 7 de novembro, durante o Fórum Agenda Bahia 2018.

As inscrições para a palestra de Frank Tyneski e para as outras atividades do seminário seguem até o dia 5 de novembro e podem ser feitas aqui.

“Minha discussão abordará o papel do design na formação de experiências humanas em conjunto com a tecnologia e o impacto que isso terá na economia”, antecipa. 

Na entrevista, ele também falou sobre design thinking aplicado à realidade dos grandes centros urbanos e no desenvolvimento de produtos e serviços que geram menos impacto ambiental; e, ainda, sobre como o design de experiência pode ajudar as pessoas a adaptarem-se ao advento da inteligência artificial, entre outros temas.

Quem é 

Frank Tyneski é designer industrial reconhecido e premiado internacionalmente, ele possui vasta experiência no desenvolvimento de produtos inovadores e experiências focadas no usuário. Seus primeiros trabalhos atenderam clientes como General Motors e Fisher Price.

Tyneski é um inventor inovador e de sucesso, atuando no campo dos negócios estratégicos, com mais de 80 patentes nos EUA e no exterior. Sua lista de realizações engloba também experiências digitais, incluindo novos métodos de customização em massa e personalização com eficiência na cadeia de suprimentos, com o objetivo de substituir abordagens clássicas de mainframe por soluções modernas em hardware e software. 

O designer foi ainda diretor da Industrial Designers Society of America (IDSA) e, ao longo de sua carreira, teve a oportunidade de desenvolver startups de sucesso. Na RKS Design, ele lidera uma equipe multidisciplinar, incluindo designers industriais, pesquisadores, designers de marcas e experiências, engenheiros e especialistas em protótipos. 

CONFIRA A ENTREVISTA COMPLETA:

O senhor fará a palestra ‘Design para a Era Experimental’ aqui em Salvador. Pode adiantar um pouco do que irá compartilhar com o público do Fórum Agenda Bahia? 

Sim. Estou honrado de representar meu país e minha empresa, RKS Design. Lidero uma equipe de pesquisadores em design de experiência, designers industriais, desenvolvedores de interface de usuário, especialistas em marcas e comunicação e engenheiros de desenvolvimento criativo. Estamos trabalhando nos bastidores para as empresas globais mais brilhantes e focadas em criar um futuro melhor para as pessoas e o planeta. Desde repensar seus esforços de sustentabilidade até projetar equipamentos médicos e científicos que aumentam a longevidade humana. Nosso trabalho diário na minha agência envolve o escopo de tecnologias emergentes e o planejamento de adaptações culturais. Minha discussão abordará o papel do design na formação de experiências humanas em conjunto com a tecnologia e o impacto que isso terá na economia.

O senhor também promoverá uma oficina sobre design thinking. De que forma as estratégias de design thinking podem beneficiar quem pensa em empreender e explorar novas oportunidades de negócios? 

Ensinarei os princípios básicos do processo de psicoestética da minha agência em um workshop. A psicoestética, ou P/A, é um método inteligente e repetitivo que acelera e orienta todo o nosso trabalho. Mostrarei às pessoas como elas podem incorporar nosso mapa P/A para agregar valor a seus próprios produtos, serviços e/ou aplicativos. Esse processo de design thinking foi originalmente concebido pelo fundador da RKS, Ravi Sawhney, nos anos 80. Enquanto outros designers estavam pensando em como estilizar produtos, Ravi estava desenvolvendo uma ferramenta estratégica para descobrir e mapear onde residem as verdadeiras 'Zonas de Oportunidade'. A empresa vem usando e refinando a plataforma P/A há mais de três décadas, tornando a RKS um dos verdadeiros pioneiros do movimento "Design Thinking". Hoje, o processo P/A está sendo ensinado em programas de MBA. Escolas de design também incluíram o processo P/A em seus cursos. Muitas empresas, desde startups disruptivas até mega marcas bem estabelecidas, contratam-nos para ensinar o processo P/A para o desenvolvimento de seus produtos e às futuras equipes de planejamento de produtos. O processo é profundo, mas ensinarei os princípios básicos na minha sessão de workshop. Também mostrarei alguns casos comerciais convincentes onde o processo P/A foi usado para criar novas categorias de produtos. Com nossa longa história de criação de produtos que foram lançados com sucesso no mercado, mostrarei alguns exemplos para demonstrar como e onde estamos gerando valor para as pessoas, além de riqueza para nossos clientes.

E no dia a dia do cidadão, onde o design thinking se encaixa e que benefícios traz, visando uma melhor qualidade de vida?

Essa é uma boa pergunta porque, se fizermos bem o nosso trabalho, o processo de design thinking é transparente para os usuários finais. O objetivo de qualquer projeto de design é o deleite, sem que os usuários finais tenham que pensar nos sistemas complexos envolvidos no processo. Um produto bem projetado deve fazer o usuário se sentir como um herói. Estamos usando nosso método de pensamento de design para mapear a jornada do herói de ponta a ponta. O design thinking também nos mostra onde um herói está completamente ausente da cena. E é aí que novas categorias de produtos podem nascer. 

Tome empréstimos estudantis como exemplo. A empresa observou que muitos jovens nos Estados Unidos estão encontrando dificuldades para pagar seus empréstimos estudantis. O custo de uma faculdade/universidade na América é alto. O estudante americano médio está com US$ 37.000 em dívidas. Isso é muito dinheiro para um jovem, e não é incomum que esse número chegue bem acima de seis dígitos por graduação. Alguns dos nossos funcionários de design na RKS, com boa formação acadêmica, foram afetados por essa tendência. Jovens excepcionais que estão ganhando bons salários, mas que estão financeiramente sobrecarregados com sua dívida de empréstimos estudantis.  Nossa empresa assumiu esse desafio para ver o que nosso processo de Psico-estética poderia fazer. Observamos que os jovens são menos capazes do que minha geração (Geração X) de investir em seu futuro quando entram no mercado de trabalho. Além disso, os Millennials que têm dívidas de empréstimos estudantis são incapazes de aproveitar ao máximo os pacotes de benefícios que seus empregadores estão oferecendo.

Então, a RKS projetou uma nova plataforma financeira chamada LoanGifting™. É uma "Plataforma de Assistência ao Empréstimo para Estudantes", que as empresas podem oferecer a seus funcionários com dívidas estudantis. Esse é um problema nacional, por isso implantamos nosso módulo LoanBenefits™ na rede ADPs, o maior sistema de folha de pagamento dos Estados Unidos. Para os assinantes do programa, cada US$ 100 investidos no programa LoanBenefits™ vale US$ 140 retirado do custo do empréstimo estudantil. As empresas que implantam a "Plataforma de Assistência ao Empréstimo para Estudantes" têm uma vantagem competitiva agora para atrair os melhores talentos. E o sistema também torna fácil para qualquer pessoa oferecer fundos para alguém que conheça e que tenha um empréstimo estudantil. Quem não gostaria de receber um pouco de alívio em uma dívida no Natal?

As inscrições gratuitas para a palestra de Frank podem ser realizadas aqui

Diante das demandas provocadas pelas alterações climáticas, as empresas precisam pensar produtos e serviços que atendam às necessidades dos seus públicos, mas gerando menor impacto no meio ambiente. O design thinking pode ajudar nesse sentido? 

Nossos clientes sabem que um produto mais ecológico não garante uma vitória no mercado. Mas, muitas vezes, isso é o que os métodos internos de pesquisa podem sugerir. Quando nos deparamos com um paradoxo tão complexo, muitas vezes somos levados para o processo piloto de design. É uma ferramenta que usamos para ajudar nossos clientes a navegar pela matriz em expansão das complexidades globais. Você pode imaginá-lo como um farol, onde o processo o leva bem acima da linha d'água e, em seguida, sua luz pode identificar as zonas de oportunidade. Felizmente, os maiores players globais estão todos interessados em sustentabilidade, mas poucos são capazes de pensar além do uso de alguns materiais verdes. Isso simplesmente não é suficiente. Estamos ajudando-os a criar experiências melhores para o usuário final, incluindo materiais mais ecológicos.

Nossa agência é conhecida por projetar produtos significativos. Acreditamos que tudo começa com a consciência. Todos nós amamos nossos instrumentos musicais, mas os designers da RKS se sentiram diferentes quando souberam que hectares de floresta tinham que ser desmatados para encontrar apenas algumas poucas árvores de madeira adequada para fazer guitarras com um som de alta qualidade. Em resposta, a RKS projetou e construiu as primeiras guitarras elétricas sustentáveis do mundo, usando materiais recém-formulados e técnicas de produção. Muitos músicos famosos elogiaram nosso design e desempenho. Também estamos ocupados na Europa trabalhando com empresas para eliminar plásticos de uso único de linhas inteiras de produtos, sem interromper as cadeias de fornecimento dos clientes globais. E estamos criando métodos melhores e mais limpos de embalagem e distribuição para os maiores varejistas online.

E nas estratégias de resiliência urbana que buscam minimizar os impactos do crescimento desordenado das cidades, como o design thinking pode ajudar nesse sentido?

Algoritmos já estão trabalhando para melhorar nossas vidas, mas a maioria das cidades está atrás da curva. Você provavelmente não pensa duas vezes antes de programar voos em seu smartphone ou como os algoritmos estão lidando com suas compras online, e como esses dados estão fazendo nossas fábricas funcionarem, etc. Até minha balança de banheiro está conectada. Basta dar um passeio pela cidade depois de horas, quando as estradas estão desengarrafadas, o sinal de trânsito que obriga você a parar em uma rua completamente vazia desperdiça nosso tempo e energia pessoais, porque esse sinal de trânsito não está conectado. A simples aplicação de IA aqui economizaria tempo produtivo e recursos naturais. E que incentivos de design e experiência um veículo autônomo pode oferecer a alguém como eu que gosta de dirigir? Estou esperançoso de que em breve, tomarei um carro projetado para facilitar a meditação no caminho para o meu escritório e que permita fazer exercícios na minha viagem de volta para casa. E projetando-se um pouco mais longe, espero que muitas experiências virtuais desloquem a necessidade de termos muitas coisas físicas. É minha previsão que, eventualmente, teremos mais experiências do que coisas.

Como o design contribui para a nossa adaptação a esse mundo onde as fronteiras entre vida privada e pública são cada vez mais indefinidas e onde a vida pessoal e profissional estão misturadas?

Não faz muito tempo, usar um rolex sinalizava status social, ter um BlackBerry indicava a necessidade de conduzir negócios de missão crítica, e qualquer um que usasse trajes formais (paletó e gravata) provavelmente trabalhava em finanças. Se alguém tivesse todos os itens acima, era um executivo corporativo de alto escalão ou alguém que aspirava tornar-se um. Em contraste, os líderes empresariais de hoje são mais difíceis de identificar. O tempo gasto executando as tarefas profissionais de casa, esgotou o tempo investido em arrumar-se adequadamente para o trabalho. Independentemente da posição ocupada, muitos estão até usando suas roupas de ginástica no escritório, com relógios inteligentes que informam quando é hora de dar um passeio rápido, durante uma teleconferência. Como tal, a hibridização de negócios com roupas de ginástica se tornou convencional. Trabalhadores estressados que raramente têm tempo para relaxar estão buscando conforto. E os aplicativos de rede de negócios, como o LinkedIn, estão se tornando muito menos formais, adicionando elementos sociais e conteúdo experimental. Os "amigos" que convidamos para nossos aplicativos de redes sociais, como o Facebook, provavelmente incluem nossos colegas de trabalho, especialistas em outras categorias e até mesmo fornecedores. Como tal, as nossas marcas pessoais têm de ser geridas através dos limites pouco visíveis que existem entre a vida privada, pública e profissional. E para muitos, manter-se ocupado é uma fonte de status social.

Como o design da experiência contribui para a adaptação humana a essa era da inteligência artificial e da internet das coisas?

Novas tecnologias podem alterar ou até mudar a maneira como vivemos. Embora as tecnologias mudem rapidamente, os comportamentos humanos tendem a permanecer os mesmos. Por exemplo, ao pesquisar como os adolescentes usam smartphones, descobri dados interessantes. O tabagismo entre adolescentes estava tendendo para baixo, enquanto o envio de mensagens para celular estava tendendo para cima. Mais pesquisas determinaram que os adolescentes que não tinham celulares estavam mais propensos a fumar quando em situações socialmente estressantes, como em uma festa do ensino médio. Eles acreditavam que fumar os fazia parecer maduros, legais e independentes. E fumar um cigarro dava aos adolescentes algo para fazer quando em um ambiente público - isso lhes dava um propósito. Hoje, a maioria dos adolescentes tem celulares e pode atingir os mesmos objetivos sociais sem fumar. Muitos adolescentes até admitem ficar desnecessariamente ocupados em seus celulares por meio de mensagens de seus pais. Quando você olha para o quadro geral, vê como as marcas de tabaco estão sendo substituídas pelos fabricantes de dispositivos móveis. A adaptação às tecnologias IA não será diferente. Os produtos e serviços enriquecidos em IA encontrarão locais dentro de nossa experiência humana e substituirão os hábitos existentes. Mas, onde essas tecnologias agirão será determinado por como essas experiências nos fazem sentir.

As grandes empresas precisam aprender estratégias de design thinking para dialogar melhor com seus consumidores? 

Sim. E acho que grandes empresas concordariam. Nossa agência oferece um serviço de educação em design que se tornou bastante popular entre empresas de todos os portes. Para as organizações maiores, a escala corporativa nem sempre funciona a seu favor. As pressões dos acionistas muitas vezes forçam essas empresas a buscarem uma sucessão de ganhos de curto prazo. Poucas empresas podem reter os recursos criativos de que precisam para superar seus próprios méritos e é nesse momento que um parceiro de design thinking é necessário. Essa necessidade é tipicamente terceirizada porque, nesta era de ruptura e fidelidade superficial às marcas, um concorrente pode entrar no mercado de qualquer direção. É por isso que é inteligente para grandes empresas trabalharem com empresas bem conectadas que tenham um amplo escopo de tecnologia.

As startups, mais inovadoras na essência, conseguem aplicar melhor as estratégias de design thinking? O que grandes empresas têm a aprender com startups?

Nossa empresa tem 38 anos, mas nós a administramos no espírito de uma startup. Colocamos profissionais de áreas diferentes em um só lugar para que eles possam colaborar em problemas futuros em conjunto e em tempo real. Isso está em contraste com as grandes empresas, que geralmente segmentam seus funcionários por departamento. Mesmo que departamentos diferentes estejam apenas a um passeio de elevador, isso ainda está muito distante do ambiente colaborativo "all-in" (todos juntos), que é comum em startups. No entanto, surpreendentemente, poucas startups implantam um processo de design thinking. Elas vêm para nós por isso. Em seguida, elas absorvem o processo enquanto trabalham conosco, transformando sua empresa em uma empresa jovem e promissora, pronta para ser lançada no mercado. Elas agora têm uma estratégia de design que aumenta muito seu valor percebido, impulsionando as vendas, atraindo financiamento e, em última análise, aumentando as oportunidades de aquisição. Às vezes, apresentamos essas startups aos nossos mega clientes. Essas marcas bem estabelecidas estão sempre à procura de novas tecnologias disruptivas, para que todos se beneficiem. Antes que isso aconteça, precisamos primeiro entender as tecnologias emergentes e, então, podemos cuidar do negócio de projetar adaptações culturais.

De que forma o senhor acredita ser possível combinar as inteligências humana e artificial para a construção de sociedades mais justas social e economicamente? Como humanos e máquinas podem caminhar juntos nessa era tecnológica?

Já está em andamento no meu próprio campo. O design "generativo" é uma maneira de nossos engenheiros otimizarem suas soluções de projeto mecânico. Usando a nuvem e a inteligência artificial, os engenheiros inserem seus parâmetros de design de peça e a ferramenta de design generativo cria instantaneamente diferentes cenários de projeto que atendem aos critérios. Quando esses esforços do homem e da máquina são combinados, o resultado é um design de peça otimizado pela IA para a leveza e resistência. O que também é criado é uma solução que seria impossível para o engenheiro ou para o computador gerar por conta própria. Quando combinadas com as tecnologias de impressão 3D, que estão rapidamente se tornando viáveis para a produção em massa, você pode projetar e fabricar peças que seriam impossíveis de produzir com qualquer outro processo de fabricação. Esses componentes impressos em 3D oferecem maior desempenho, personalização e personalização.

*Robotização e Inteligência Artificial já são realidades presentes e não há como voltar atrás na revolução digital. Pensando sobre as relações humanas neste contexto, corremos o risco de perder nossa capacidade de interagir de pessoa para pessoa? O que o senhor acha que podemos fazer para nos humanizar - ou não perder nossa humanidade - nesta era tecnológica?

Primeiro, devemos reconhecer a diferença entre 'estar conectado' e fazer uma conexão real com alguém. Precisamos investir tempo em fazer conexões reais com outros seres humanos antes que eles sejam todos deslocados para um circo itinerante composto por robôs AR [robôs de realidade aumentada que são projetados na tela no game playstation] e avatares. Isso será particularmente difícil para os jovens que preferem se comunicar digitalmente. Independentemente disso, conectar-se organicamente não será fácil para nenhum de nós. Precisamos tornar isso um hábito saudável, como se exercitar e comer saudável. Os grandes players estão adicionando de forma proativa utilitários que podem ajudar a limitar o consumo digital. As redes sociais fornecem todas as ferramentas necessárias para fabricar uma marca pessoal sofisticada. Mas, às vezes, as coisas não são tão boas quanto parecem no Facebook. E isso dificulta que amigos, vizinhos e professores identifiquem alguém em necessidade. Em resposta, os professores estão adicionando aulas de empatia, onde os alunos se sentam em círculo para que possam interagir com outros alunos, cara a cara. Isto é sobre manter nossa humanidade.

Quer acompanhar a palestra gratuita? Inscreva-se aqui!

Seminário Humanize[se]
Frank Tyneski fará a palestra ‘Design Para a Era Experimental’, na abertura do Seminário Humanize[se]. Depois da conferência, ele participará de um talkshow com a jornalista Flávia Oliveira, e responderá perguntas do público.  

Ainda na programação matutina do evento, Tyneski participará do painel ‘Humanize[se]: Como Homem e Máquina Podem Andar Juntos Nessa Nova Era Tecnológica?’, ao lado de Sil Bahia, diretora do Olabi MakerSpace, e Conrado Schlochauer, embaixador da Singularity University e um dos fundadores da Affero Lab.

À tarde, o designer também comandará a oficina ‘Psico-Estética: A Arte Prática do Design Thinking’, onde pretende apresentar mapas de psico-estética, uma proposta multidisciplinar que visa estudar a percepção, cognição e comportamento das pessoas, sendo aplicada como uma ferramenta de negócios para conhecer os públicos de interesse de marcas ou organizações.

O Fórum Agenda Bahia 2018 é uma realização do jornal CORREIO, com patrocínio da Braskem, Sotero Ambiental e Oi, apoio institucional da Prefeitura de Salvador, Consulado Americano, Federação das Indústrias da Bahia (Fieb) e Rede Bahia; e apoio do Sebrae e da VINCI Airports.

PROGRAMAÇÃO DO SEMINÁRIO HUMANIZE[SE]:

Manhã

8h - Credenciamento

9h - Cerimônia de Abertura

9h30 - Palestra Design Para a Era Experimental, com Frank Tyneski

10h - Talkshow do palestrante Frank Tyneski 

10h20 - Palestra Pensamento  Exponencial: Uma Visão Humana, com Conrado Schlochauer

10h50 - Talkshow do palestrante Conrado Schlochauer 

11h10 - Painel Humanize[se]: Como homem e máquina  podem andar juntos nessa nova era tecnológica?  Frank Tyneski, Conrado Schlochauer e Sil Bahia debatem a questão moderados por Flávia Oliveira 

Tarde

14h às 15h30 - Oficina Psico-Estética:  A Arte Prática do Design Thinking, com Frank Tyneski

14h às 15h30 - Oficina O Mundo mudou. E você?, com  Eduardo Endo, diretor dos MBAs da FIAP

14h00 às 15h30 – NAVE: Programação e robótica como solução para as cidades, com Anderson Paulo da Silva

16h às 17h30 - Oficina Criative [se], com Alessandra Terumi 

16h às 17h30 - Desafio de Inovação Acelere[se]. As oito startups participantes do programa de mentorias farão um pitch para investidores em potencial. Cristiana Arcangeli fará palestra sobre os desafios de empreender e dicas para novos empreendedores

16h às 17h30 - Painel Tecnologia, Impacto Social e Diversidade, com Sil Bahia, diretora de projetos do Olabi  Markerspace, Brenda Costa, cofundadora do OxenTI Menina, e Ka Menezes, Professora da Faculdade de Educação da UFBA, presidenta do Raul Hacker Club de Salvador Bahia e idealizadora do Projeto Crianças Hackers.

Serviço:

O quê - Seminário Humanize[se] / Evento de encerramento do Fórum Agenda Bahia 2018

Quando -  07/11, 8h às 17h30

Onde -  Quality Hotel & Suítes São Salvador (Rua Dr. José Peroba, 244 – Stiep)

Quanto - Entrada gratuita. Os formulários de inscrição podem ser acessados no site agendabahiacorreio.com.br/humanizese.

*Vagas Limitadas. É preciso se inscrever em cada atividade que se deseja participar.

**As inscrições para a oficina O mundo mudou. E você?, com Eduardo Endo, já estão esgotadas

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas