Frutos da Toca: Ronaldo e Léo Ceará viram referências no Vitória

e.c. vitória
24.09.2020, 04:59:00
Artilheiro do Vitória na temporada, com sete gols, Léo Ceará se firma no clube que o revelou pela primeira vez (Letícia Martins/ECV)

Frutos da Toca: Ronaldo e Léo Ceará viram referências no Vitória

Revelados na base rubro-negra, goleiro e centroavante demoraram para maturar e têm sido decisivos na Série B

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Eles demoraram para maturar, mas conseguiram se firmar com a camisa profissional do Vitória. Frutos da Toca do Leão, Ronaldo e Léo Ceará se tornaram peças fundamentais do time na Série B. No sábado (26), às 16h30, eles estarão em campo contra o Oeste, no Barradão.

O planejamento inicial do clube era ter Martín Rodríguez como goleiro titular. Dono da posição na Série B do ano passado, o uruguaio iniciou a temporada no posto, mas lesionou o joelho no primeiro jogo do ano, contra o Fortaleza, e precisou passar por cirurgia. Ronaldo aproveitou a oportunidade e tem mostrado serviço.

Pouco antes da suspensão dos campeonatos em função da pandemia de coronavírus, Ronaldo se machucou e viu chegar à Toca o goleiro César, ex-Coritiba. No entanto, o prata da casa se recuperou enquanto os torneios estiveram paralisados e não deu brecha para nenhum outro concorrente.

A fase de Ronaldo é tão boa que não há pressa para o retorno de Martín Rodríguez aos gramados. Recuperado da lesão, o goleiro está liberado para jogar desde o início de agosto, mas ainda não foi relacionado. Por estar em melhor momento, inclusive fisicamente, César vem sendo a opção no banco de reservas.

Ronaldo defendeu o Vitória nas 10 primeiras rodadas da divisão de acesso nacional e, no último dia 14, no empate em 1x1 com o Juventude, completou 60 jogos com a camisa vermelha e preta. A marca foi alcançada aos 24 anos, após cinco servindo o elenco profissional. Isso porque ele nem sempre teve a mesma moral e desempenho que tem hoje.

Este ano, o goleiro já entrou em campo 21 vezes, mesma quantidade que na temporada inteira de 2018 e mais do que na de 2019, quando atuou em 18 oportunidades. Em 2015, 2016 e 2017 ele foi relacionado para alguns jogos, mas não chegou a ser utilizado.

Fato é que Ronaldo este ano conseguiu se firmar no time e vive a melhor fase da carreira na Toca. As boas atuações dele roubaram a cena em algumas partidas da Série B. Ele foi fundamental, por exemplo, no triunfo por 1x0 contra o Sampaio Corrêa, na estreia da competição, e no empate sem gols com o Figueirense. Foram 10 gols sofridos no torneio nacional até aqui, média de um por jogo.

ARTILHEIRO

Os jogadores pratas da casa estão dando conta do recado atrás e na frente. Se Ronaldo é a referência no gol rubro-negro, Léo Ceará exerce o mesmo papel na área adversária. Artilheiro do time na temporada com sete gols, o centroavante é titular absoluto do time comandado por Bruno Pivetti, que tem Jordy Caicedo e Júnior Viçosa como opções para a posição.

Léo Ceará se profissionalizou em 2014, mas, assim como Ronaldo, só se firmou no Vitória nesta temporada. Naquele ano, disputou uma única partida, válida pela Copa do Nordeste. Em 2015, entrou em campo uma vez pela Copa do Brasil e quatro pela Série B. Em 2016, foi emprestado ao Ryukyu, do Japão. Em 2017, também não ficou na Toca: primeiro defendeu o Campinense e depois o Confiança.

O atacante seguiu no Confiança durante o primeiro semestre de 2018 e retornou à Toca do Leão no segundo, quando foi aproveitado em 17 jogos da Série A. No ano passado, ele permaneceu no rubro-negro até a terceira rodada da Série B e na sequência foi emprestado ao CRB.

No time alagoano, Léo disputou 32 jogos da segunda divisão e foi um dos destaques da equipe ao marcar 12 gols, um deles contra o Vitória, no empate em 2x2, no Barradão. A boa temporada fez a diretoria rubro-negra querer contar com ele em 2020, mas o retorno foi tumultuado.

Léo Ceará foi mandado a campo nos 19 jogos em que esteve disponível. A única suspensão por cartões amarelos foi cumprida contra o ABC, na 6ª rodada da Copa do Nordeste. O atacante poderia ter vestido a camisa vermelha e preta mais vezes se não tivesse sido afastado do elenco em dois momentos, em janeiro e em julho. A medida foi tomada pelo clube para pressioná-lo a renovar o contrato que se encerraria em dezembro. No fim, fez-se um acordo em que ele estendeu até o final de janeiro para jogar a Série B inteira e depois sairá de graça, com o Vitória mantendo 30% dos direitos econômicos.

Os afastamentos fizeram o jogador não disputar três partidas da Copa do Nordeste. Ele ficou fora dos empates com Sport e Botafogo-PB, na fase classificatória, e também da derrota para o Ceará, nas quartas de final, que resultou na eliminação do regional. No retorno do Campeonato Baiano, o elenco principal ficou responsável pelos dois jogos que restaram da fase classificatória e, após empates com Bahia de Feira e Doce Mel, o time amargou a eliminação do estadual. O atacante também não esteve à disposição.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas