Fuja dos golpes com o pix: veja dicas e como se proteger no comércio

economia
15.11.2021, 06:00:00
Matheus Jacyntho elencou algumas dicas para evitar as situações de golpes que envolvem a forma de pagamento (Divulgação)

Fuja dos golpes com o pix: veja dicas e como se proteger no comércio

Veja a orientação de especialistas

Há seis anos, a secretária executiva Lúcia Carvalho,45, mantem um pequeno negócio de comercialização de sapatos e acessórios femininos. Na sua vida como empreendedora, foram poucas as situações onde os clientes demonstraram má fé ou dificuldade em quitar suas dívidas. Mas ela foi vítima de um golpe com pagamento através do pix. “Na minha frente, a cliente mostrou o comprovante na minha frente, mas depois percebi que foi um agendamento que terminou suspenso”, conta. 

No caso de Lúcia, o valor não foi tão alto e ela conseguiu superar, embora a experiência a tenha deixado mais ressabiada. O Correio conversou com o diretor associado de cibersegurança da ICTS Protiviti, empresa especializada em soluções para gestão de riscos, compliance, auditoria interna, investigação, proteção e privacidade de dados Matheus Jacyntho sobre como se prevenir desse tipo de situação, especialmente, depois que o pix se tornou o segundo meio de pagamento mais utilizado no País, segundo o Banco Central. 

1.      Quais são os golpes mais comuns contra comerciantes e prestadores de serviço que atuam com pix?
Os primeiros casos de fraude que apareceram junto com o PIX eram focados em ludibriar as pessoas comuns ao simular solicitações de transferências entre pessoas físicas.
Recentemente, os criminosos cibernéticos aumentaram suas abordagens relacionadas a fraudes com o PIX, simulando solicitações de pagamento de fornecedores para empresas.
O golpe nada mais é do que uma adaptação dos golpes envolvendo boletos falsos, ou seja, o criminoso abre uma conta jurídica em bancos digitais e cria sites com nomes parecidos com os dos fornecedores.
Depois, entram em contato com as empresas se passando pelos fornecedores e informam a troca da conta bancária e solicitam uma transferência de teste confirmação.
Em casos mais elaborados, os criminosos pesquisam nomes de empresa que estão disponíveis nos sites dos fornecedores. Desta maneia, tem uma chance maior para descobrir que a empresa realiza pagamentos para determinado fornecedor e assim ter sucesso no golpe.

2.      Como minimizar o impacto desses golpes?
A recomendação mais importante relacionada a golpes com o PIX é de SEMPRE verificar o nome do fornecedor (recebedor) na tela de confirmação da transferência. Esta informação não é possível de ser alterada e aparecerá um nome de fornecedor parecido com o do fornecedor legítimo. Outro ponto importante é telefonar para seus fornecedores sempre que houver uma solicitação de alteração de contas para pagamentos, visto que essa ação atualmente é indício de fraude. Lembrando que a orientação é utilizar somente canais oficiais dos fornecedores, ou seja, algum contato que você saiba que é legítimo. Nunca entrar em contato com e-mails ou telefones enviados por e-mail, whatsapp ou SMS.

3.      Realizar transações com pix é cômodo e rápido. O que os empreendedores podem fazer para evitar golpes como aquele onde a pessoa manda o comprovante só com a parte de cima, deixando de mostrar o agendamento que mais tarde é cancelado?
Neste caso, é importante verificar sua conta bancária para conferir se o PIX foi realizado, pois é uma transação praticamente instantânea. Se for um agendamento, o lançamento não aparecerá no seu extrato e consequentemente é um indício de golpe/fraude.

4.      Que medidas alguém que sofre com esse tipo de prática pode tomar para minimizar o prejuízo?
Caso tenha caído em golpes do PIX, a primeira medida é notificar o banco com as informações do seu incidente. É importante também registrar um boletim de ocorrência, pois como as transações do PIX são rastreáveis, a investigação policial em conjunto com o banco pode chegar ao criminoso.

5.      Liste os cuidados necessários para evitar golpes que envolvam pagamento.
Sempre verificar o nome do fornecedor (recebedor) da transferência PIX que está sendo realizada; desconfiar de solicitações de mudança de contas de recebimento por parte de fornecedores e conferir pelos canais conhecidos e legítimos; desconfiar de contatos de fornecedores provenientes de whatsapp e SMS e, quando for por e-mail, verificar se a conta de envio tem o nome correto do site do fornecedor; desconfiar de contatos telefônicos, pois criminosos podem estar se passando por fornecedores para levantar informações e pedir seus dados para pagamento.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fuja das armadilhas em 9 passos

1. Tenha o IMEI, ou número de série, do dispositivo anotado em um local seguro, ou seja, fora do dispositivo. Para descobrir o número, digite *#06# no dispositivo. Caso o aparelho seja roubado, é só solicitor à operadora o bloqueio usando o número do IMEI. Com isso, nenhum chip funcionará no aparelho. Além disso, faça um boletim de ocorrência, pois caso a polícia apreenda o aparelho, ela saberá sua origem;

2. Proteja seu CHIP ativando os códigos PIN e PUK do seu chip SIM. Ao ativar o código PIN, ele será solicitado quando o celular for reiniciado e nenhuma função do aparelho será ativada caso o código não esteja correto. E se o criminoso tentar adivinhar e errar o código por três vezes, o aparelho será bloqueado. Para desbloquear, é necessário saber o código PUK;

3. Configure o apagamento (wipe) remoto do dispositivo;

4. Não utilize o desbloqueio através de reconhecimento facial para aplicativos de banco e corretoras;

5. Configure seu app de banco para pedir não só a senha, mas o número da conta e da agência sempre que for aberto;

6. Use senhas diferentes para cada aplicativo, principalmente os bancários;

7. Não guarde fotos de senhas, documentos ou de cartões de crédito na galeria de fotos;

8. Não utilize o recurso de "salvar senha" para aplicativos e portais críticos;

9. Proteja aplicativos críticos com MFA (autenticador multifator). Desta maneira, os apps serão acessados com senha e um código gerado por um token, evitando que mesmo que a senha seja descoberta pelo criminoso, ele não terá o token.



 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas