Funcionário recebe R$ 1,6 milhão por engano e foge com dinheiro da empresa

mundo
25.06.2022, 12:55:54
(Reprodução)

Funcionário recebe R$ 1,6 milhão por engano e foge com dinheiro da empresa

Caso aconteceu no Chile

Um funcionário de uma empresa chilena que trabalha produzindo frios e embutidos recebeu uma bolada por engano. Foram transferidos 281 milhões de pesos chilenos para a conta do homem, o que equivale a R$ 1,6 milhão.

Ao perceber que o dinheiro tinha entrado em sua conta, o homem pediu demissão e fugiu com o dinheiro da empresa. As informações são do jornal argentino Clarin.

Segundo o jornal, o dinheiro caiu na conta do profissional devido a um erro da área de recursos humanos da empresa. Quando foi verificar o seu salário do mês, o funcionário notou o erro. Ele preferiu não comentar com ninguém o que ocorreu e pediu demissão.

Quando a empresa percebeu o erro, entrou em contato com o homem e informou que ele tinha que devolver o dinheiro. No entanto, no dia combinado, ele não foi à agência bancária entregar o valor e fugiu com todo o dinheiro, que foi sacado por ele.

"Ligaram para ele centenas de vezes, até que ele atendeu e comentou que tinha adormecido. Eles continuaram esperando, mas o dia passou sem nenhuma resposta", informa a reportagem.

O funcionário ficou vários dias sem dar notícias. Pouco depois, o advogado dele foi até a empresa e informou que seu cliente não pretendia devolver o dinheiro, uma vez que o erro foi da própria empresa.

Diante do cenário, a empresa então entrou com uma ação judicial e o denunciou por "apropriação indevida". Os advogados da empresa alegam que, mesmo tendo sido um erro, isso não dá ao homem o direito de se apossar do dinheiro. O caso corre na Justiça.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas