Garoto sai para andar de bicicleta e é achado enterrado em quintal em SP

brasil
28.09.2020, 17:55:28
Atualizado: 28.09.2020, 18:21:35
(Foto: Reprodução)

Garoto sai para andar de bicicleta e é achado enterrado em quintal em SP

Família de Iury, 14 anos, ainda fez campanha para encontrá-lo; autoria do crime é investigada

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um adolescente de 14 anos, que ficou desaparecido por três dias, foi encontrado morto em uma casa em São Vicente, litoral de São Paulo. O corpo de Iury Júnior Pereira Silva estava enterrado no quintal da residência. O autor do crime ainda segue desconhecido. As informações são do G1.

Nos últimos dias, familiares haviam iniciado uma campanha nas redes sociais para tentar encontrar o paradeiro do garoto.

De acordo com a Polícia Militar, por volta das 16h50 deste sábado (26), uma equipe foi acionada para ocorrência de encontro de cadáver na rua 19, no bairro Gleba. O corpo foi localizado enterrado no quintal de uma residência. Policiais apuraram que seria do garoto de 14 anos desaparecido desde o dia 23 de setembro.

Menino foi andar de bicicleta
O boletim de ocorrência informando o desaparecimento de Iury foi registrado por sua mãe no último sábado (26), apontando que o garoto saiu para andar de bicicleta na última quarta-feira (23) e não voltou mais. No registro, a mãe diz que o filho não tinha envolvimento com drogas, não fazia uso de remédio controlado e não costumava passar a noite fora de casa.

Ainda de acordo com o boletim, a mãe mencionou que dias antes ele havia caído de um cavalo e estava com um ferimento na perna direita. Ela relatou à Polícia Civil que procurou o filho na casa de familiares e amigos, sem obter retorno. Nas redes sociais, ela colocou fotos dele pedindo ajuda para encontrá-lo.

Em entrevista ao G1, a mãe conta que desde a última quarta não consegue se alimentar, e pede que os responsáveis pela morte do filho sejam identificados.

"Quero que a polícia ache quem fez isso com meu filho. Ele era uma criança, inteligente, nunca repetiu de ano. Na terça falou que entrou no concurso para ganhar bolsa para treinar e entrar para a polícia. Eu fiquei muito feliz, pensando no futuro dele", desabafou a mãe.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas