Golpe do ovo da páscoa grátis faz 560 mil vítimas em três dias

tecnologia
07.04.2020, 17:31:00
Atualizado: 07.04.2020, 17:32:04
Links maliciososo são enviados por aplicativos de mensagem como o WhatsApp (Foto: Reprodução )

Golpe do ovo da páscoa grátis faz 560 mil vítimas em três dias

Criminosos aproveitam dada comemorativa para roubar dados dos usuários

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Criminosos têm aproveitado a pandemia do novo coronavírus para aplicar golpes através de aplicativos de mensagem como o WhatsApp. O mais recente entre eles é o 'golpe do ovo da páscoa'. De acordo com o laboratório de segurança digital PSafe, 560 mil brasileiros foram atingido nos últimos três dias. 

Utilizando idevidamente nomes de empresas como Nestlé e Cacau Show, os criminosos enviam mensagens com supostas promoções. Em uma delas, promete ovos da páscoa grátis aos cinco mil participantes. No golpe, os bandidos dizem ainda que o produto será entregue em casa e alerta para o risco da covid-19.

Ao clicar no link que é enviado para preenchimento de cadastro, as vítimas acabam entregando dados sigilosos aos criminosos. Pelo menos seis links maliciosos foram identificados nos últimos dias. Em entrevista ao site Extra, Emilio Simoni, presidente do dfndr lab, explica que os golpistas se aproveitam de épocas festivas para enganar as pessoas. 

"Ocasiões como a Páscoa são sempre utilizadas por cibercriminosos para tentar fazer novas vítimas, e para tornar o ataque mais crível, estes atacantes utilizam o nome de grandes empresas. Eles utilizam uma mecânica fácil que solicita às vítimas que respondam algumas questões simples como qual tipo de chocolate preferem e se já comprou nas lojas das empresas citadas nos últimos 3 meses. Por fim, pedem o compartilhamento do link malicioso com no mínimo 15 contatos do WhatsApp para garantir o recebimento do prêmio. No intuito de ganhar aquele brinde, a vítima segue os passos e acaba se tornando vetor de disseminação do golpe", explicou.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas