Governador rebate Bolsonaro e fala em 'amizade' entre miliciano e Presidência

brasil
15.02.2020, 19:30:00
Atualizado: 15.02.2020, 20:01:42

Governador rebate Bolsonaro e fala em 'amizade' entre miliciano e Presidência

Presidente levantou insinuações sobre ação da PM baiana na morte de chefe do Escrtório do Crime

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), disse que "a Bahia luta contra e não vai tolerar nunca milícias nem bandidagem" e afirmou que que havia "laços de amizade" da Presidência com o miliciano morto. O comentário do petista, feito nesse sábado, 15/2, no Twitter, é uma reação à fala do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que levantou uma insinuação a respeito da ação da Polícia Militar da Bahia sobre a morte do ex-capitão do Bope (Batalhão de Operações Especiais) Adriano da Nóbrega. As informações são do site UOL.  

"Quem é o responsável pela morte do capitão Adriano? PM da Bahia, do PT. Precisa falar mais alguma coisa?" disse Bolsonaro, mais cedo, em entrevista no Rio. O ministro da Justiça, Sergio Moro, também chegou a ligar a morte do ex-capitão do Bope ao governo estadual, comandado pelo PT.

Adriano foi morto no último final de semana em Esplanada, cidade a cerca de 160 quilômetros de Salvador. Ele é acusado de comandar uma milícia no Rio.

Costa publicou uma mensagem hoje nas redes sociais em que rebate a fala do presidente. "Na Bahia, trabalhamos duro para prevalecer a lei e o Estado de Direito."

O governador diz que, na Bahia, "a determinação é cumprir ordem judicial e prender criminosos com vida". "Mas se estes atiram contra pais e mães de família que representam a sociedade, os mesmos têm o direito de salvar suas próprias vidas, mesmo que os marginais mantenham laços de amizade com a Presidência".

Homenagem
O governador também comentou o fato de o presidente ter pedido para que seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), homenageasse o miliciano na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) em 2003.

"Eu é que pedi para o meu filho condecorar para que não haja dúvida. Ele era um herói [na época]. O meu filho, recém-eleito, eu que determinei, pode trazer para cima de mim isso aí. O meu filho condecorou centenas de policiais", disse Bolsonaro a jornalistas no Rio.

Nas redes sociais, Costa disse que "o governo do estado da Bahia não mantém laços de amizade nem presta homenagens a bandidos nem procurados pela Justiça".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas