Governo Bolsonaro ignorou 53 e-mails da Pfizer, diz Randolfe Rodrigues

brasil
04.06.2021, 12:09:40
Atualizado: 04.06.2021, 12:11:06
(Agência Brasil)

Governo Bolsonaro ignorou 53 e-mails da Pfizer, diz Randolfe Rodrigues

Último deles foi um pedido 'desesperado': 'queriam oferecer vacinas ao Brasil'

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

As investigações realizadas pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 descobriu que foram ao total, 53 e-mails da Pfizer oferecendo vacinas ao governo federal que ficaram sem resposta, informou o senador Randolfe Rodrigues (Rede - AP).

Ainda de acordo com o senador, o último e-mail sem resposta foi enviado em 2 de dezembro de 2020. "Foi um pedido desesperado da Pfizer em busca de alguma informação, pois eles queriam fornecer vacinas ao Brasil", revela Randolfe.

O gerente-geral da farmacêutica Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, já prestou depoimento à CPI. Lá ele afirmou que o governo ignorou uma oferta de 70 milhões de doses, que começariam a ser entregues ainda em dezembro do ano passado.

Com isso, o Brasil seria um dos primeiros países do mundo a iniciar a vacinação.

A intenção da Pfizer era transformar o Brasil num exemplo de sucesso e efetividade das vacinas. Porém, com a falta de respostas, isso não foi possível.

Um acordo com a farmacêutica só foi fechado em março de 2021 e as primeiras doses entregues em abril. 

CoronaVac ignorada
Além da Pfizer, o governo Bolsonaro também ignorou as ofertas do Instituto Butantan. Em depoimento à CPI, Dimas Covas, diretor do instituto, revelou que o Brasil poderia ser o primeiro país do mundo a iniciar a vacinação.

No início de dezembro de 2020, o Butantan já tinha 10 milhões de doses da CoronaVac prontas para serem aplicadas. 

Além disso, a primeira oferta do instituto ao governo federal foi feita em 30 de julho de 2020 e previa a entrega de 60 milhões de doses ainda no ano passado. O governo federal não demonstrou interesse no imunizante na ocasião.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048