Governo submeterá ao conselho do PPI proposta de desestatização da Eletrobras

brasil
22.08.2017, 11:13:48
Atualizado: 22.08.2017, 11:25:52
((foto: Eletrobras))

Governo submeterá ao conselho do PPI proposta de desestatização da Eletrobras

O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, avaliou que o processo terá grande importância para o setor de energia e para o País, mas também para o mercado de capitais brasileiro

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, disse nesta terça-feira, 22, que a intenção do governo em desestatizar a Eletrobras será apresentada na quarta-feira (23/8), ao conselho do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI). Ele voltou a citar a Embraer e a Vale como exemplo de processos semelhantes, que também ocorreram em outros países.

"Trata-se de um movimento muito maior do que apenas a necessidade arrecadatória. Vamos entregar uma nova empresa muito mais ágil após esse processo, com capacidade de enfrentar os desafios em um cenário competitivo com empresas globalizadas", afirmou o ministro.

Coelho Filho citou as dificuldades que a Eletrobras vem enfrentando, mas elogiou o atual comando da estatal. "Quando assumimos, a empresa valia R$ 9 bilhões e agora vale R$ 20 bilhões. A empresa teve prejuízos acumulados nos últimos anos, mas tivemos lucro nos dois primeiros trimestres de 2017, o que mostra a melhora da governança na empresa", completou.

O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, avaliou que o processo terá grande importância para o setor de energia e para o País, mas também para o mercado de capitais brasileiro.

"A modelagem de venda ainda não está concluída. Isso é algo que ainda vamos discutir a partir de agora, considerando o que está previsto na lei de desestatização", disse Guardia. "Haverá total transparência em cada uma das fases do processo", completou.

Guardia também enfatizou que a venda da Eletrobras não será feita para gerar receita primária, porque receitas de desestatizações são receitas financeiras. "Então isso não está sendo feito com o objetivo de impactar o resultado fiscal", concluiu.

Já o secretário-executivo do MME, Paulo Pedrosa, disse que a desestatização da Eletrobras irá gerar um ambiente propício para os investimentos no setor elétrico. "O nosso foco é dar eficiência para o mercado de energia, com transparência de custos", afirmou. "Esse movimento fortalece a Eletrobras como player de mercado", acrescentou.





***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas