Homem trans é discriminado no SUS e amiga organiza campanha para cirurgia

bazar
23.02.2016, 19:22:00

Homem trans é discriminado no SUS e amiga organiza campanha para cirurgia

O estudante Miguel Marques teve seu gênero desrespeitado no SUS e uma amiga criou página no site vakinha para ajudar na cirurgia do rapaz

Miguel Marques, das páginas Transviados e Homens Transgêneros: problemas no SUS e vakinha para cirurgia (Foto: Angeluci Figueiredo)

Ano passado, Miguel Marques, 23, das páginas de Facebook Homens Transgêneros e Transviados, sentia dores no abdômen. Procurou atendimento no Centro Estadual Especializado em Diagnóstico, Assistência e Pesquisa (CEDAP/Sesab/SUS), no Garcia, e foi discriminado. “Pelo tratamento de aberração, ir à ginecologista é um terror para os homens trans. O tratamento é tão desumano que preferimos abrir mão”, conta ele.

O rapaz - que ao nascer foi identificado como uma menina, mas na verdade é um menino - foi um dos entrevistados da matéria O que é ser Trans, publicada no BAZAR em setembro do ano passado. Vale a pena ler para entender melhor a situação.

A médica do CEDAP recomendou uma histerectomia (cirurgia de retirada do útero) “para ontem” por conta da possibilidade de câncer. Sensibilizada, uma amiga criou uma página no site Vakinha para angariar fundos para a cirurgia particular. Vai lá: vakinha.com.br/cirurgia-do-miguel.



***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas