Homem usa ketchup para encenar a própria morte na web e escapar da polícia

brasil
25.10.2018, 22:46:53
Atualizado: 25.10.2018, 22:58:44
(Foto: Reprodução)

Homem usa ketchup para encenar a própria morte na web e escapar da polícia

Além de compartilhar a foto, ele chegou a ligar para a polícia denunciando o falso crime

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um rapaz de 22 anos procurado pela polícia de Campo Mourão, no Paraná, resolveu despistar os policiais encenando a própria morte, mas acabou preso nesta quarta-feira (24). O suspeito, que não teve o nome divulgado, espalhou ketchup no chão da cozinha de uma casa, se deitou e pediu a um amigo que tirasse a foto.

A intenção dele, segundo a polícia, era espalhar a informação de sua morte também nas redes sociais. Ele era procurado por suspeita de homicídio, tráfico de drogas, roubo e furto.

Segundo o G1, além de compartilhar a foto, ele chegou a ligar para a polícia denunciando o falso crime. Ao chegar na casa, a Polícia Militar não achou nada, mas um vizinho sinalizou que o procurado morava em outro local.

Ele então foi flagrado pela PM vivo e trancado no verdadeiro endereço. Com o rapaz havia uma arma de pressão, munição e um rádio comunicador sintonizado na frequência da polícia. O suspeito tinha uma ferimento em recuperação de um tiro que levou há alguns meses em uma briga.

Além dos crimes pelo qual o rapaz era procurado, ele foi indiciado por falsa comunicação de crime, violação de comunicação telegráfica e posse ilegal de arma de fogo e munições.

Mulher ketchup
O caso do paranaense é bem parecido com a de uma baiana que simulou a propria morte para escapar encomendada por sua rival. O caso aconteceu em setembro de 2011, em Pindobaçu, no centro norte do estado.

Maria Nilza Simões pagou R$ 1 mil ao ex-presidiário Carlos Roberto de Jesus para que ele matasse a dona de casa Erenildes Aguiar Araújo. Mas ‘pistoleiro’ e vítima forjaram a morte. Como prova, Carlos apresentou fotos do crime e a mandante acreditou, apesar da montagem tosca.

A farsa foi descoberta três dias depois, quando Erenildes viu o ‘assassino’ e ‘vítima’ na feira - os dois estariam aos beijos. Nilza foi à delegacia denunciar que havia sido roubada por Carlos. Chamado a depor, o homem entregou tudo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas