Idoso é preso após matar esposa com marreta no Caminho das Árvores

salvador
29.04.2018, 13:35:16
Atualizado: 29.04.2018, 19:42:33

Idoso é preso após matar esposa com marreta no Caminho das Árvores

Crime também deixou o filho do casal, de 30 anos, ferido

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um homem foi preso em flagrante após matar da esposa, na manhã deste domingo (29), no bairro do Caminho das Árvores, em Salvador. José Sampaio Barbosa, 63 anos, teria assassinado a esposa, Carmelita Rosa Topázio Barbosa, 57, a golpes de marreta. Ele foi preso em flagrante pelo crime de feminicídio por guarnições da 35ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Iguatemi).

O crime aconteceu no Edifício Itaigara Sul, que fica na Rua do Benjoim, e também deixou o filho do casal, de 30 anos, ferido. Ainda não há informações sobre o estado de saúde dele. Também não há registro de que ele tenha sido atendido em algum hospital da cidade.

Os militares foram acionados após uma denúncia feita pelo número 190. Eles se dirigiram até um apartamento na Rua Benjoim e prenderam José em flagrante. Também foi apreendida a marreta usada no crime. "O nosso sistema de comunicação permitiu que evitássemos uma tragédia ainda maior, pois o filho foi agredido e também poderia revidar contra o pai", declarou o comandante do Policiamento na Região Integrada de Segurança Pública (Risp) Atlântico, coronel Francisco Kerjean.

José foi capturado em um apartamento no Caminho das Árvores
(Foto: Divulgação SSP)

Até o final da tarde deste domingo (29), o corpo de Carmelita ainda não havia sido liberado do Instituto Médico Legal Nina Rodrigues (IMLRN). O corpo chegou ao local às 14h, mas ainda não havia passado por necropsia. De acordo com a perita Celene Maria Santos, uma amiga de trabalho de Carmelita passou no local para confirmar o nome da colega, mas não quis se identificar ou verifiar o corpo para fazer o reconhecimento. Ela foi embora depois de confirmar nome e sobrenome de Carmelita. Até as 16h30, ninguém da família havia ido ao IML.

Querida no bairro
No prédio onde aconteceu o crime, não há portaria e o interfone não está em funcionamento. Na vizinhança, que passava clima de luto na tarde deste domingo (29) - com ruas vazias, pouca gente quis comentar o crime. Ailton Nunes, 53, porteiro do prédio ao lado, disse que os porteiros da manhã comentaram o caso entre eles e que Carmelita era querida no bairro.

"Era muito educada, nunca deixava de nos dar um bom dia. Tinha uma vida ativa, passeava ali pela praça e passava aqui pela frente direto", afirmou. Ailton, porém, já chegou no trabalho quando não havia mais movimentação sobre o crime. "Quando cheguei, pro meu turno da tarde, só fiquei sabendo, mas não vi nada. Muito triste", disse.

Carmelita era funcionária do banco Bradesco e, segundo informações do Sindicato dos Bancáriosa da Bahia, a morte dela já vem sendo lamentada em grupos de bancários. Antes do Bradesco, ela havia trabalhado no antigo Banco do Estado da Bahia (Baneb).

Carmelita Rosa Topázio Barbosa tinha 57 anos e era funcionária do Bradesco
(Foto: Reprodução)

Funcionários de outros dois prédios na rua disseram não saber nada sobre o feminicídio, já que os moradores são muito fechados. Eles dizem não imaginar o que pode ter acontecido. Segundo Ailton, Carmelita costumava passear com José pelo bairro e ele (o marido) costumava ser mais calado, mas há informações sobre a relação do casal ou sobre a saúde psicologica de ambos.

Após a prisão em flagrante, José foi apresentado no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), na Pituba. Ele passará por audiência de custódia em ate 24 horas, o que irá definir se permanece preso ou não.

*Com supervisão da editora Clarissa Pacheco

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas