Investigada por venda de sentenças, ex-presidente do TRT-BA é afastada novamente

salvador
22.01.2021, 14:43:00
Atualizado: 22.01.2021, 14:44:14
(Divulgação)

Investigada por venda de sentenças, ex-presidente do TRT-BA é afastada novamente

Determinação foi da Justiça Federal; ela já havia sido afastada em dezembro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Justiça Federal determinou, pela segunda vez, o afastamento da ex-presidente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-BA), a desembargadora Maria Adna Aguiar.

A desembargadora é ré na Operação Injusta Causa, onde é investigada por vendas de sentenças, e também responde a uma ação civil de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Federal (MPF).

De acordo com informações do TRT5-BA, o afastamento foi determinado pelo juiz Evandro Reimão dos Reis, da 10ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária da Bahia. A medida tem validade inicial de 18 dias.

Com o afastamento de Maria Adna Aguiar, o vice-presidente do TRT-BA, desembargador Jeferson Muricy, convocou a titular da 2ª Vara do Trabalho de Itabuna, juíza Eloína Machado, para substituí-la já a partir desta sexta-feira (22). Ela ocupa o cargo pelos mesmos 18 dias da decisão.

Outro afastamento
Esse não é o primeiro afastamento de Maria Adna Aguiar das suas funções. No dia 11 de dezembro do ano passado a Justiça Federal também determinou que ela fosse afastada, juntamente com os magistrados Esequias Oliveira, Norberto Frerichs, Graça Boness e Pires Ribeiro.

A Operação Injusta Causa foi deflagrada pela Polícia Federal, em setembro de 2019. Na época, foram cumpridos mandados de busca e apreensão em gabinetes dos desembargadores que estavam sob suspeita de montar um esquema de venda de decisões judiciais e tráfico de influência na Bahia.

O grupo também foi julgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que determinou que eles fossem afastados no mesmo mês. Em maio de 2020, todos os desembargadores voltaram às atividades normalmente, após determinação do órgão. A medida foi reavaliada em dezembro do ano passado.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas