Irmãos do pornô viajaram o Brasil aplicando golpe do 'Boa noite, Cinderela'

brasil
29.10.2020, 09:00:40
Atualizado: 29.10.2020, 09:29:02

Irmãos do pornô viajaram o Brasil aplicando golpe do 'Boa noite, Cinderela'

Suspeito disse ter perdido as contas de quantas vítimas fez durante viagens

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

João Bosco Rodrigues Junior planejava se mudar para Europa neste ano, mas teve os planos atrapalhados pela pandemia. Sem dinheiro para se manter e com o irmão Jemison Portela dos Santos desempregado, a cupla decidiu viajar pelo país praticando crimes. As informações são do Extra.

Naturais do Amazonas, os dois estiveram em ao menos quatro cidades nos últimos seis meses. Em depoimento prestado à Polícia Civil de São Paulo, nesta terça-feira (27), João contou que eles não possuem residência fixa e estiveram no Rio, em São Paulo, em Florianópolis e em Belo Horizonte. 

Na conversa com a polícia ele confessou a participação em golpes conhecidos como “Boa noite, Cinderela” e disse ter perdido a conta de quantas vítimas fez nos locais por onde passou.

Em dois inquéritos abertos, os irmãos são investigados por dopar dois homens em São Paulo e lhes roubar mais de R$ 60 mil. Já em uma outra investigação no Rio, a polícia apura a aplicação do golpe pelos irmãos em um bar no Leblon. A vítima teve mais de R$ 40 mil subtraídos de suas contas correntes e cartões de crédito.

Também em depoimento, João contou usar ketamina, uma substância originalmente empregada para induzir e manter a anestesia em animais de grande porte, como cavalos, nos golpes que aplicam. Ao ser aquecida, a droga líquida transforma-se em pó, conhecido como Special K, e, ao ser dissolvida em bebida alcoólica ou cheirada, provoca efeitos alucinógenos e perda dos sentidos.

Depois de conversarem com as vítimas, os irmãos colocavam o Special K em suas bebidas ou as convidava para cheirá-lo, como se fosse cocaína. Depois de alguns minutos, os homens já apresentavam sinais de inconsciência e João e Jemison usavam máquinas portáteis de pagamento para subtrair valores de suas contas correntes e fazer compras com seus cartões de crédito.

João e Jemison foram reconhecidos e tiveram a prisão temporária por roubo decretada pela Justiça dos dois estados. João foi preso, na última sexta-feira (23), em São Paulo, e Jemison está foragido.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas