João de Deus diz que é empresário e que sua renda vem de fazendas em Goiás

brasil
24.12.2018, 10:32:00
Atualizado: 24.12.2018, 10:40:53

João de Deus diz que é empresário e que sua renda vem de fazendas em Goiás

Médium tem sete fazendas em Goiás e 'vários' carros

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Acusado de abuso sexual por centenas de mulheres, o médium João de Deus disse à polícia que sua renda é proveniente das sete fazendas que administra, que rendem R$60 mil. Ele está preso há uma semana em Goiás, após se entregar à polícia. 

As fazendas do médium ficam em Crixás, Itapaci, Jaraguá, Anápolis, São Miguel, Pirenópolis e Abadiânia. 

Em um bunker na casa do médium, a Polícia Civil de Goiás encontrou uma mala com R$ 1,2 milhão. O bunker ficava atrás de um armário dentro de um quarto. 

Ele disse ainda que sua profissão é "empresário" e disse que não sabe quanto ganha com “lojas” e a farmácia da Casa Dom Inácio de Loyola, que foi interditada na última sexta-feira (21) por produzir medicamentos em escala industrial sem autorização.

Em entrevista ao Fantástico, o delegado Valdemir Branco disse que há indícios que o dinheiro encontrado na casa do médium é ilícito. "Se ele escondeu é porque veio de algo ilícito. Ele terá que dar explicações", afirmou o delegado. A defesa de João de Deus afirma que os valores são provenientes de doações.

Durante o depoimento, o médium disse que não sabia a quantidade de carros. Na casa, a polícia também encontrou armamentos, que não têm registro e um deles está com a numeração raspada. Além disso, João de Deus não tem permissão para ter armas.

Apreensões
A polícia fez buscas em três endereços do médium, autorizadas pelo juiz Liciomar Fernandes da Silva, do Tribunal de Justiça de Goiás, um dia antes. Ele também expediu uma nova ordem de prisão pelo posse ilegal de arma, além da investigação por abuso sexual. A defesa criticou as novas buscas e a nova prisão, que julgou inadmissível.  

Em buscas anteriores, os policiais já tinham encontrado mais de R$ 400 mil em moedas nacional e estrangeiras, além de armas na casa dele. 

Apesar da prisão do líder espiritual, não há pedido para a suspensão do funcionamento da Casa Dom Inácio de Loyola. Até hoje, a defesa teve dois pedidos de habeas corpus negados pela justiça e foi ao STF. Mesmo que o presidente do STF Dias Toffoli conceda a liberdade para o médium, ele deve continuar preso por conta do segundo pedido de prisão.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas