Jovem é estuprado e agressor diz: 'você salvou uma mulher hoje'

brasil
23.08.2017, 09:45:00
(Foto: Reprodução/Google Maps)

Jovem é estuprado e agressor diz: 'você salvou uma mulher hoje'

Universitário também foi torturado; leia relato

A Polícia Civil de Minas Gerais apura um caso de estupro registrado nesta semana em Uberaba (MG), cidade localizada na região do Triângulo Mineiro. A vítima, o universitário Mateus Henrique da Silva, de 23 anos, contou que foi abordado por um homem enquanto fazia uma caminhada.

Segundo ele, o desconhecido estava em uma caminhonete preta e apontou uma arma para sua cabeça. "Me fez escolher entre entrar no veículo ou levar um tiro ali mesmo", falou. O estudante alega ainda que, naquela hora, manhã do último domingo (20), "não tinha ninguém na rua" e que também "não tinha como correr".

O rapaz então teria sido obrigado a entrar no veículo e, após rodar um pouco, o motorista foi parar em uma mata. No local o estudante diz ter sido torturado com o uso de paus, pedras e até arame farpado. "Caso eu quisesse gritar, a arma na minha boca não deixaria", relatou em publicação nas redes sociais.

"Não foi sexo, foi tortura. Mas como eu saí vivo? Segundo o cidadão, ele queria uma menina que provavelmente ia matar depois, já que encontrou só um garoto, esse ia salvar a vida dela."

O universitário diz ainda que após o ato foi obrigado a correr no asfalto quente amordaçado e com as mãos amarradas. Depois, de acordo com a Polícia Militar, ele foi localizado no Jardim Eldorado sem camisa, com marcas pelo corpo e pedaços de galhos secos introduzidos em uma das orelhas.

Os policiais relataram que ele estava "bastante abalado psicologicamente". Levado ao hospital, uma médica constatou a violência sexual.

Investigação
O jovem é estudante da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) e conta que ao final da violência ouviu um "parabéns" do agressor, que completou: "você salvou uma mulher hoje".

A ocorrência foi registrada pela Polícia Militar e encaminhada à Polícia Civil. Porém, para que seja instaurado inquérito é preciso uma representação por parte da vítima, o que não havia sido feito até a tarde desta terça-feira (22). Segundo a Polícia Civil, o estudante já foi comunicado a esse respeito e tem seis meses para comparecer à delegacia.

Leia relato na íntegra:

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas