Juiz autoriza transferência de presídio de esfaqueador de Bolsonaro

brasil
02.03.2020, 19:16:52
Atualizado: 02.03.2020, 19:26:23
(Divulgação/Assessoria de Comunicação Organizacional do 2º BPM)

Juiz autoriza transferência de presídio de esfaqueador de Bolsonaro

A transferência deverá ser realizada em até 30 dias para "recolhimento e tratamento adequado" ao agressor

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A transferência de Adélio Bispo para uma unidade prisional adequada para o seu tratamento foi autorizada pelo juiz federal Dalton Igor Conrado, da 5.ª Vara Federal de Campo Grande. A decisão sobre para onde o esfaqueador de Bolsonaro será enviado caberá ao juiz de origem do caso, a Vara Federal de Juiz de Fora (MG).

A transferência deverá ser realizada em até 30 dias para "recolhimento e tratamento adequado" ao agressor. A decisão atende pedido da Defensoria Pública e do Ministério Público Federal.

A procuradoria argumenta que o presídio federal em Campo Grande onde Adélio está preso não possuía "aptidão para execução de medida de segurança imposta pela Justiça". Por isso, a manutenção dele na unidade implicaria em violação à lei e potencial agravamento dos transtornos psíquicos do agressor.

Adélio foi absolvido do crime contra o presidente por ser considerado inimputável, ou seja, incapaz de responder pelos atos que praticou. A prisão preventiva do esfaqueador foi convertida em internação psiquiátrica por tempo indeterminado. No entanto, o MPF apresentou ofícios que mostram que o presídio federal de Campo Grande não possuía instalações adequadas para o tratamento de Adélio.

Em decisão, o juiz Dalton Conrado afirma que Adélio deve permanecer em "espaço destinado ao tratamento adequado à patologia reconhecida em sentença", com estrutura, equipe médica e medicamentos necessários ao seu tratamento.

"O Setor de Saúde do Presídio Federal de Campo Grande/MS é uma Unidade Básica de Saúde que realiza atendimentos emergenciais e básicos, não dispondo de equipe e local adequados ao tratamento da patologia de acomete o interno", afirma o magistrado. "Eventual permanência em presídio federal, poderia, inclusive, acarretar o agravamento do seu quadro de saúde".

O juiz aponta que a manutenção de Adélio também poderia comprometer a segurança interna do estabelecimento penal, visto que seus atos de desobediência não são punidos por sanções disciplinares.

Na decisão, Conrado determina o cumprimento da decisão com o recolhimento de Adélio em custódia ou celas mantidas pela Polícia Federal nos aeroportos ou proximidades durante o translado de transferência.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas