Justiça de São Paulo nega pedido de liberdade a Cristian Cravinhos

brasil
14.02.2020, 11:36:02
Atualizado: 14.02.2020, 14:10:11

Justiça de São Paulo nega pedido de liberdade a Cristian Cravinhos

Ele está detido desde 2018 depois de tentar subornar PMs; Cristian participou da morte do casal von Richthofen

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) negou o pedido de liberdade feito por Cristian Cravinhos e o condenou a quatro anos e oito meses de reclusão e ao pagamento de 23 dias-multa. Ele está detido desde 18 de abril de 2018 por corrupção ativa, após ter tentado subornar policiais militares quando se envolveu em uma briga de bar. A decisão foi expedida na quarta-feira, 12, de forma unânime pela 11ª Câmara de Direito Criminal, que também negou pedido do Ministério Público para aumentar a pena de Cravinhos.

Jurada pelo PCC, rival baiana, falha em teste: livro conta história de Suzane von Richthofen

A briga e posterior tentativa de suborno ocorreram enquanto Cravinhos cumpria sua condenação pelo assassinato do casal Manfred e Marísia von Richthofen em regime aberto. Em depoimento, os policiais militares envolvidos no caso afirmaram que o réu tentou oferecer R$ 1 mil para não ser levado à delegacia, pois tinha medo de ter a liberdade provisória revogada. Ele também teria afirmado que o irmão, Daniel Cravinhos, poderia repassar mais R$ 2 mil aos agentes.

Justiça de São Paulo nega pedido de liberdade a Cristian Cravinhos (Foto: Reprodução)

Em decisão proferida em outubro de 2018, quando o caso ainda tramitava em 1ª instância, o texto reforça que Cravinhos foi flagrado a cerca de 100 quilômetros de seu município, em "posse de munição de uso restrito" e "oferecimento de dinheiro para que policiais evitassem ato de ofício, caracterizando corrupção ativa".

A sentença também negou a possibilidade de Justiça Gratuita, alegando que o réu "viajou quilômetros para esta cidade, numa motocicleta de alto valor, em posse de mil e quinhentos reais em espécie e de celular de padrão de consumo elevado". De acordo com a sentença inicial, Cristian está condenado "até o longínquo ano de 2032".
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas