Justiça determina que Atacadão terá que adotar medidas contra discriminação

brasil
01.12.2020, 12:17:00
(Reprodução)

Justiça determina que Atacadão terá que adotar medidas contra discriminação

Decisão vem após denúncias de racismo e intolerância religiosa no Rio de Janeiro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Após denúncias de racismo e intolerância religiosa, o Atacadão, do grupo Carrefour, terá que adotar medidas contra atos discriminatórios praticados por seus funcionários no ambiente de trabalho. 

A decisão é do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT-1) e decorre de Ação Civil Pública (ACP) ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro (MPT-RJ).
 
A denúncia partiu de uma funcionária de uma unidade do Atacadão no Rio de Janeiro, que ao chegar para sua jornada de trabalho, encontrou o avental que costumava utilizar com um bilhete escrito com a seguinte frase: “só pra branco usar”. Ela denunciou o caso à chefia, que ordenou que o trabalhador que cometeu a ofensa apagasse as palavras, sem puní-lo.
 
Pouco depois, a vítima foi desligada da empresa por ter "se envolvido em situações conflitivas com os colegas de trabalho". O colega racista só foi demitido após a denúncia dos fatos ao MPT.

Na ocasião, o MPT-RJ instaurou Inquérito Civil para investigar o caso e solicitou que a vítima fosse recontratada, o que foi negado pela empresa. Durante a apuração dos fatos, ficou comprovado que no local ocorria também práticas de intolerância religiosa e racismo, que eram ignoradas pelas chefias.
 
Diante do cenário, o juiz do Trabalho José Dantas Diniz Neto, em sua decisão, definiu que o Atacadão terá que tomar medidas. “Estou convencido de que o racismo e a prática de intolerância às religiões de matriz africana avançam no ambiente corporativo da empresa, em todo o país, o que expõe a falência do seu programa de ética e integridade, e a absoluta ineficácia do instrumento interno de comunicação de denúncias".
 
A decisão informa que a empresa deverá:
 
- abster-se de adotar ou tolerar qualquer conduta que possa ser caracterizada como prática discriminatória contra trabalhadores, em razão da religião, raça, cor, cultura ou etnia, garantindo-lhes tratamento digno no ambiente laboral;
 
- aplicar sanções disciplinares efetivas a empregados que pratiquem qualquer forma de discriminação contra seus colegas, em razão da religião, raça, cor, cultura ou etnia;
 
- estabelecer, no prazo de seis meses, meio efetivo para recebimento e apuração de denúncias específicas sobre racismo por parte dos seus empregados, garantindo-lhes o sigilo da identidade do denunciante, nos termos do art. 10 do Decreto nº 9.571/2018;
 
- instaurar, no prazo de seis meses, efetiva política de combate à discriminação em suas dependências, devendo realizar campanha permanente de conscientização de seus empregados, diretores e prestadores de serviços terceirizados, a qual deverá contar, no mínimo, com palestras, cartazes e mensagens eletrônicas, proporcionando efetivo letramento racial no ambiente de trabalho.
 
A decisão estabeleceu também uma multa de R$100 mil por cada obrigação descumprida, acrescida de R$ 50 mil por cada trabalhador vitimado. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas