Live discute cobertura e influência da imprensa na Guerra da Independência

bahia
01.07.2020, 18:33:57
Atualizado: 01.07.2020, 18:39:32

Live discute cobertura e influência da imprensa na Guerra da Independência

Assista à live-aula especial sobre o Dois de Julho com Nelson Cadena

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A imprensa não apenas cobriu, como participou e teve forte influência na Guerra de Independência do Brasil na Bahia, que culminou com a vitória brasileira em 2 de julho de 1823. A informação é do jornalista, publicitário e e escritor Nelson Cadena, convidado da segunda live do CORREIO sobre o Dois de Julho.

Segundo Cadena, o jornalista Paulo José de Melo, por exemplo, foi vice-presidente da Província antes da chegada do general Madeira de Mello - que comandou as tropas portuguesas - e teve uma função executiva no período.

Um outro jornalista foi até Itaparica levar informações às tropas baianas ao saber, dentro da tipografia onde o jornal era impresso, que o general Madeira de Mello pretendia invadir a ilha.

Na conversa com o CORREIO, Cadena falou sobre um abaixo assinado de mulheres a Dom Pedro e tratou dos chamados batalhões patrióticos, que desfilavam no cortejo do Dois de Julho até meados dos anos 1950.

Os batalhões eram formados por grupos de médicos, acadêmicos e, claro, também de jornalistas. Antes de chegar ao formato de cortejo que conhecemos hoje, com um desfile matutino e um desfile vespertino, o Dois de Julho era celebrado em diversos bairros da cidade e em outras datas. O Dois de Julho de Brotas e de Itapagipe estavam entre os mais famosos da cidade.

Lives
Nesta quinta-feira (2), às 17h, o bate-papo no Instagram do CORREIO será com o historiador e jornalista Rafael Dantas. Rafael estuda iconografia e vai falar sobre as transformações na cidade antes e após a guerra de independência.

Na sexta-feira será a vez do restaurador José Dirson Argolo falar sobre as figuras do caboclo e da cabocla. As lives são apresentadas pela jornalista Clarissa Pacheco.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas