Mais de 17 mil materiais proibidos são apreendidos no Carnaval

carnaval
03.03.2019, 11:32:00
Objetos que representam risco foram tirados das ruas (Foto: Divulgação)

Mais de 17 mil materiais proibidos são apreendidos no Carnaval

Agentes da Semop têm fiscalizado os circuitos da folia

Em três dias oficiais do Carnaval, mais de 17 mil itens irregulares foram apreendidos pela Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop), alguns deles que representavam risco às pessoas (armas brancas).

De acordo com o órgão, só neste sábado (2), a quantidade de materiais retirados das ruas foi 5.794. Entre os produtos apreendidos estão espetinhos de churrasco, fogareiros, cavaletes de metal e bebidas que não são da marca patrocinadora da festa.

“O foco é proteger as pessoas. Não só o folião, mas os trabalhadores, os ambulantes, que no momento de uma eventual confusão podem acabar se machucando. A gente trabalha com base no reflexo das ocorrências registradas pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS)”, ressalta o titular da Semop, Felipe Lucas. 

Para facilitar o trabalho dos agentes de limpeza e manter os circuitos em ordem para os foliões, a Secretaria de Manutenção (Seman) realizou desobstrução de 15 metros lineares de rede pluvial. Os técnicos do órgão fizeram ainda limpeza de 496 caixas de sarjeta e 22 podas de árvores, além de colocação de 20 metros quadrados de tapume e uso de 200 kg de asfalto frio no tapa-buraco. Quinze metros quadrados de passeios foram recuperados.

Acolhimento
As casas de acolhimento provisório instaladas pela Secretaria Municipal de Políticas para Infância, Mulher e Juventude (SPMJ) próximas aos circuitos do Carnaval receberam no terceiro dia da festa 400 crianças. As unidades estão situadas na Escola Municipal Casa da Amizade, em Ondina; Colégio Estadual Teixeira de Freitas, em Nazaré; Escola Municipal Osvaldo Cruz, em Amaralina; e Escola Estadual Senhor do Bonfim, nos Barris.


 

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas