Mais um dia para Iemanjá: admiradores lotam o Rio Vermelho antes do 2 de Fevereiro

salvador
02.02.2020, 05:10:41
Atualizado: 02.02.2020, 05:40:04
Véspera da festa do 2 de Fevereiro lota o Rio Vermelho e inicia as homenagens para Iemanjá (Foto: Priscila Natividade/ CORREIO)

Mais um dia para Iemanjá: admiradores lotam o Rio Vermelho antes do 2 de Fevereiro

Homenagens a rainha do mar de vem de todas as religiões e consolida a véspera como mais um dia de festa

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Iemanjá ganhou um fim de semana inteiro. O dia 2 de Fevereiro ficou pequeno para tantas homenagens a rainha do mar. A véspera da festa lotou de admiradores antes mesmo da data oficial da festa. Alguns fazem isso para fugir da fila do dia seguinte. Outros preferem entrar a madrugada entre um pedido e outro. Mas há também um balaio inteiro de bons motivos, como afirmou a coordenadora de produção, Bárbara Moura: “No dia 2 de Fevereiro é muita muvuca, um empurra-empurra, uma quentura só. Na véspera o axé é mais leve”. 

Bárbara e Mônica acham que no dia anterior ao 2 de fevereiro, 'o axé é mais leve' e a 'muvuca' é menor
(Foto: Priscila Natividade/ CORREIO)

Junto com a amiga Mônica Aparecida, Barbara trouxe muita alfazema e flores de presente. “Iemanjá é nossa paz, nosso sossego. Nós viemos agradecer”, completou Mônica. Elas até tentaram curtir o ‘axé mais leve’, mas na verdade, já tinha muita fila desde as 22h para colocar o presente no balaio da Colônia de Pescadores, descer as escadas para a praia, e, acredite, até engarrafamento de balaios, como contou a artista multimídia Ana Dumas, que junto com seu carrinho multimídia traz todo ano, muita música e um balaio de presentes para Iemanjá: 

“É o melhor engarrafamento de balaios do mundo. Comecei a montar esse balaio há 20 anos com meus amigos e se tinha muito, eram três ou quatro na véspera da festa. Hoje os balaios engarrafam antes mesmo do 2 de fevereiro. Dia primeiro já virou festa. É o momento que a gente foca no significado  e reverencia Iemanjá  por ela representar toda esta força da água. O balaio desceu lindo este ano”, disse Dumas. 

Ana Dumas faz  há 20 anos a entrega do balaio para Iemenjá que leva também presentes de amigos
(Foto: Priscila Natividade/ CORREIO)

Junto com Dumas, o artista visual e jornalista Gil Maciel é um dos amigos que a ajudam na montagem do balaio que levou para Iemanjá muitas flores. “Temos todo um ritual de comprar as flores e o balaio sempre no mesmo lugar da Feira de São Joaquim. São tradições que a gente mantém e aqui nesse balaio, com certeza, nossos colocamos junto com as flores, o melhor dos afetos”. 

A radialista Daniela Souza todo ano deposita suas flores para Iemanjá no balaio de Dumas. Daniela é paulista, mas mora em Salvador há 17 anos e desde então, rende suas homenagens para Iemanjá. "É uma festa muito linda, muito feminina. É o acolhimento, que o mundo precisa".

Flores e bençãos

E por falar em flores, quem também rende agradecimentos a rainha do mar é o encanador Renato Borges. Há 42 anos ele vende flores logo ali bem em frente da colônia de pescadores. Este ano, das 3 mil que comprou, antes de meia-noite já tinha vendido metade. 

Seu Renato vende flores na festa de Iemanjá há mais de 40 anos. Mal tinha virado meia-noite metade das rosas já estavam vendidas
(Foto: Priscila Natividade/ CORREIO)

“Já sei que vou correr doido logo de manhã cedo para comprar mais flores. Minha alegria é ser abençoado por ela e ter lucro também”. Para agradar tanto o freguês, quanto Iemanjá, Seu Renato tem um segredo: “eu jogo um perfume nas rosas e nas mãos de quem vai entregar as flores para a Rainha do Mar”, revelou. 

Uma das flores vendidas por ele levaram para o mar todas as preces da assistente social Emanuele Saad. “Para ela, a orixá protege a todos, independente de qual seja a religião. "Eu acredito muito na força dela, mesmo sendo católica. Para mim, Iemanjá representa a figura da mulher e traz proteção para todas nós". 

Mais axé

Na tradição do candomblé, a festa em homenagem a Iemanjá ainda rende reverência para as orixás da água doce. Um balaio de flores brancas e amarelas saiu do Dique do Tororó, por volta de 1h da madrugada para entregar o presente para Oxum. "Ela é a rainha da água doce. Oxum também merece. Esse presente tem que agradar a todas", é o que afirma Heloisa Santos, do terreiro Ilê Axé Jbayê, de Itinga, um dos templos que depositaram sua oferenda nas águas do Dique. 

Nélia é filha de Oxum e sempre faz sua oferenda a sua mãe, antes de prestar homenagens a Iemanjá
(Foto: Priscila Natividade/ CORREIO)

A assistente social Nélia Ribeiro é filha de Oxum  e fez questão de render suas homenagens a ela, antes da festa de Iemanjá: "Foi a criatura que me raspou. Com fé  e com Oxum eu alcancei muitas coisas que queria. Cada um com a sua fé, se acreditar, vem".

No caminho para o Rio Vermelho, o estudante Maurício Lobo decidiu participar pela primeira vez, da entrega do balaio de Oxum: "Vim mais para sentir a emoção de perto, antes de ir para o Rio Vermelho. É uma energia muito forte. Me arrepiei o tempo todo".

Reverência feita, obrigação cumprida. E hoje tem mais festa de Iemanjá.  A partir das 5h, uma alvorada de fogos marca a chegada do presente principal, mantido em sigilo pela colônia de pescadores. Ainda no Rio Vermelho, às 15h30 deste domingo, acontece a procissão com cerca de 500 balaios que levarão mais presentes para saudar a rainha do mar. 


 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas