Mamães baianas inauguram campanha de doação de sangue da Hemoba

salvador
06.05.2021, 06:00:00
(Arisson Marinho/Correio)

Mamães baianas inauguram campanha de doação de sangue da Hemoba

Um total de 26 mulheres integrantes de grupo de apoio à maternidade deram o pontapé inicial na campanha de doação de sangue do Dia das Mães

A Fundação Hemoba recebeu na quarta-feira (5) uma ilustre visita: 26 mães integrantes do grupo “Mamães Baianas” foram à sede da instituição, na avenida Vasco da Gama, para doar sangue e dar o pontapé inicial da campanha “Mainha dá o Sangue”, que homenageará as mães doadoras e servidoras da unidade, além de fomentar a doação de sangue pelas matriarcas baianas.

Contando com 51 grupos de WhatsApp, que possuem cerca de quatro mil mães, além de 17 mil seguidores no Instagram, o grupo Mamães Baianas virou referência em ações e apoio sobre a maternidade no estado. 

Fundado em abril de 2017 por Michelle de Oliveira, durante sua primeira gravidez, o grupo se engaja em diversas ações sociais, como a doação de sangue, que surgiu através da necessidade de muitos familiares dos membros, como a própria fundadora. 

“Minha mãe está fazendo tratamento oncológico, por conta de um câncer no ovário”, explica Michelle. “As doações caíram por conta da pandemia, as pessoas estão com mais medo, quem precisou de sangue passou por dificuldades, como ter sessões de quimioterapia adiada. Com isso, surgiu a ideia da campanha, tendo minha mãe como grande incentivadora”. 

De acordo com Michelle, mais de 6 mil mães foram convocadas para doar sangue em todo o estado, e a expectativa é que essas mulheres continuem indo aos hemocentros até o final do mês. “Depois que vira mãe, a gente acaba se importando mais do que nunca com coisas que a gente não percebia, para fazer o mundo melhor”, comenta ela.

Mães aprovam
Entre as 26 mães que compareceram ao Hemoba, três conversaram com o CORREIO, e todas ressaltaram a importância da doação de sangue e a felicidade por fazer parte do início de uma campanha que homenageia todos as mães, especialmente com a proximidade do Dia das Mães, comemorado no Brasil neste domingo, dia 9 de maio.

“Pra mim foi muito bom ter voltado a doar, especialmente perto de uma data dessas. Foi super tranquilo, equipe maravilhosa, cuidadosa e atenciosa. Foi uma ação muito legal da Michelle, que motivou bastante, tanto que até a agradeci por me fazer voltar a realizar essa ação tão necessária”, afirmou a mamãe Rilde Seixas.

Já Andreia Avelar ressaltou que não é necessário ter medo ou pavor da agulha, classificando todo o processo como bastante tranquilo. “Foi ótimo, tudo muito tranquilo. Eu já tinha doado anteriormente, em uma outra campanha deles. Não precisa ter medo da agulha nem de nada, é bem tranquilo mesmo, e além disso, é um grande gesto de amor pelo próximo”, lembrou.

“Eu estava com um pouco de receio de doar, por conta da pandemia, mas eu fui. Ao chegar lá, vi que tudo estava muito tranquilo, as meninas me passaram muita segurança, com tudo sendo perfeitamente bem executado, com toda a segurança”, relatou a mamãe Gabriela Deiró. “A ideia desse grupo é muito boa, outros deveriam se inspirar nisso e fazer campanhas desse tipo, é importante salvar vidas”.

Estoque

Fernando Araújo, diretor geral da Hemoba, conversou com a reportagem do CORREIO. Ele falou sobre a importância das doações de sangue e destacou a grande ajuda que iniciativas como a do grupo Mamães Baianas possuem, potencializando ainda mais as campanhas de doação institucionais da fundação. 

“Estamos fazendo um trabalho intensivo para convidar doadores. Nesse contexto, estamos fazendo homenagens às mães durante todo o mês de maio. Em 2020, tivemos um aumento de 40% no número de doadoras, o que significa cerca de 20 mil pessoas a mais. Isso tudo tem um significado muito grande para o momento que estamos vivendo, e foi um marco, que representa a solidariedade do povo baiano”, comentou Fernando.

Sobre a situação atual dos estoques do Hemoba, o diretor revela que, ao longo do primeiro quadrimestre de 2021, os estoques estão adequados, com números acima da margem de segurança. No entanto, é necessário manter o fluxo de doações para conseguir fazer com que esses estoques permaneçam disponíveis em situação adequada. 

Fernando finaliza desfazendo alguns mitos e inseguranças que, geralmente, assustam os potenciais doadores e os impedem de comparecer ao Hemoba. “Usamos um material totalmente estéril, que não suprime o sistema imunológico, nem emagrece, nem engorda. A doação de sangue não tem riscos, as pessoas não precisam ficar preocupadas. É um ato de amor, e um gesto essencial”, deu o recado. 

*Sob supervisão da subeditora Carol Neves

(Rilde Seixas (Foto: Arisson Marinho/Correio))
(Michele de Oliveira e sua mãe (Foto: Arisson Marinho/Correio))
(Gabriela Deiró (Foto: Arisson Marinho/Correio))
(Andreia Avelar (Foto: Arisson Marinho/Correio))

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas