Menina de 10 anos que foi estuprada tem alta no hospital após aborto

brasil
19.08.2020, 09:52:10
Atualizado: 19.08.2020, 10:03:19
Hospital amanheceu com cartazes e balões em homenagem à criança (Yari Ribeiro / JC Imagem)

Menina de 10 anos que foi estuprada tem alta no hospital após aborto

Criança era violentada desde os 6 pelo tio

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A menina de 10 anos que passou pelo processo de aborto legal no Recife já deixou o hospital Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam). A alta estava inicialmente prevista para essa terça-feira (18); o horário da saída e o destino da criança não foram divulgados para preservar sua imagem.

O procedimento médico aconteceu na tarde desse domingo (16). A criança, que engravidou após ser estuprada pelo tio desde os 6 anos na cidade de São Mateus, precisou viajar do Espírito Santo para interromper sua gestação. A operação foi autorizada judicialmente na sexta-feira (14), mas os médicos do estado capixaba optaram por não realizá-lo. Por isso, a paciente foi encaminhada ao Cisam, no bairro da Encruzilhada, Zona Norte do Recife. O suspeito foi preso nessa terça-feira em Minas Gerais.

Nessa terça, o Cisam amanheceu com cartazes e balões fixados na fachada em solidariedade à garota. Os manifestantes também levaram uma cesta de presentes para a vítima, a família e a equipe médica que cuidou do caso.

O caso repercutiu em todo País sobretudo depois dos protestos que ocorreram em frente à maternidade, com a presença de grupos pró e contra o procedimento. A transferência da menina deveria ter acontecido em sigilo, mas o nome da menina e do hospital foram vazados e divulgados na internet.

Entenda o caso
A autorização para o aborto legal da garota de dez anos foi dada pela Vara da Infância e da Juventude da cidade de São Mateus. No despacho, o juiz determinou que a criança fosse submetida ao procedimento de melhor viabilidade e o mais rápido possível para preservar a vida dela.

O caso foi descoberto quando a menina deu entrada no dia 8 de agosto no Hospital Estadual Roberto Silvares, em São Mateus, com sinais de gravidez. A garota estava se sentindo mal e a equipe médica desconfiou da barriga "crescida" da menina. Ao realizar exames, os enfermeiros descobriram que ela estava grávida de três meses. Em conversa com médicos e com a tia, a criança confidenciou que o tio a estuprava desde os seis anos e que nunca contou aos familiares porque era ameaçada. O homem fugiu depois que a gravidez foi descoberta.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas