Menino de 11 anos é morto ao tentar tirar foto com ursos na Rússia

em alta
06.08.2020, 16:11:19
Atualizado: 06.08.2020, 16:20:55
Menino Nikita, de 11 anos, foi morto por dois ursos na Rússia (Reprodução)

Menino de 11 anos é morto ao tentar tirar foto com ursos na Rússia

Ele foi arrastado para dentro da jaula e jogado 'como uma bola' por dois ursos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um menino de 11 anos, identificado como Nikita, morreu após ser arrastado para dentro da gaiola e jogado "como uma bola" por dois ursos em um resort na Rússia. As informações são do jornal Daily Mail.

De acordo com o veículo, o garoto tentou "mostrar sua bravura" a duas meninas e pretendia tirar uma foto perto dos animais selvagens. As garotas, da mesma idade, assistiram horrorizadas enquanto os ursos arranhavam e mordiam o amigo. Elas gritaram por ajuda e telefonaram para os pais, mas quando o socorro chegou já era tarde.

Os funcionários do resort mataram os dois ursos para conseguir retirar o corpo do menino da jaula. Uma equipe de ambulâncias confirmou sua morte. Ainda de acordo com o Daily Mail, psicólogos estão trabalhando com as meninas traumatizadas.

Segundo o jornal, o portão da jaula externa dos ursos foi deixado 'destrancado' no mini-zoológico de uma pousada em Dagomys. Nikita entrou, mas depois foi puxado para dentro da gaiola interna por um buraco cavado pelos ursos sob as barras.

Animais foram abatidos
Animais foram abatidos (Reprodução)

Um morador disse que o menino abriu o portão querendo tirar uma foto e deu um tapa nas patas dos ursos para mostrar o quão legal ele era. "Eles ficaram jogando-o como uma bola. Ele ficou todo quebrado", disse a testemunha.

Um processo criminal foi aberto contra o proprietário do resport por 'causar morte por negligência'. O prefeito de Sochi, Alexey Kopaygorodsky, reagiu banindo todos os mini-zoológicos do resort.

A psicóloga da escola onde o menino estudava, Tamara Dolotkazina, falou que Nikita era muito dedicado. "Ele era um garoto muito bom e inteligente. Estou chocada com algumas pessoas dizendo que o menino é o culpado, sem saber todos os detalhes. Deus é o juiz de tais pessoas, minhas condolências aos seus pais", disse.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas