Morre aos 67 anos em São Paulo o jornalista e escritor Luiz Maklouf Carvalho

brasil
16.05.2020, 13:05:00
Atualizado: 16.05.2020, 13:05:32
(Foto: GloboNews/Reprodução)

Morre aos 67 anos em São Paulo o jornalista e escritor Luiz Maklouf Carvalho

Vencedor de dois prêmios Jabuti, ele teve complicações de um câncer no pulmão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Natural de Belém, capital do Pará, o jornalista Luiz Maklouf Carvalho morreu neste sábado (16), aos 67 anos, em São Paulo, em decorrência de complicações de um câncer no pulmão. 

Em relato que ele escreveu em 2018 no jornal Estado de S. Paulo, do qual era repórter desde 2016, Maklouf explicou que se tratava de um tipo de câncer que afeta quem já foi fumante.

"Não faz nenhuma diferença se você parou de fumar pra lá de 15 anos, como no caso", explicou. Ele chegou a fumar três maços por dia e foi tratado com imuno-quimioterapia.

Maklouf lançou, no ano passado, um livro sobre a vida do presidente da República, Jair Bolsonaro, O Cadete e o Capitão: A Vida de Jair Bolsonaro no Quartel. A obra investiga o momento em que o atual presidente abandonou a carreira militar e ingressou na vida política, nos anos 1980.

Bacharel em direito pela Universidade Federal do Pará, o escritor e jornalsta se mudou para a cidade de São Paulo em 1983. É autor de Mulheres que Foram à Luta Armada, vencedor do Prêmio Jabuti de Reportagem de 1999, com história de militantes da esquerda revolucionária do sexo feminino que lutaram contra o regime militar (1964-1984).

Também escreveu Já Vi Esse Filme, ganhador do prêmio Jabuti de 2007, que trata dos primeiros escândalos de corrupção do PT, entre 1984 e 2005. Maklouf também é autor de O Coronel Rompe o Silêncio, e coautor de Vultos da República.

Quando trabalhava, no Jornal da Tarde, do Grupo Estado, na década de 1990, Maklouf revelou o primeiro escândalo de corrupção do PT, o chamado "caso CPEM", em referência a uma empresa de consultoria com esse nome. A reportagem ouviu a acusação do então dirigente petista Paulo de Tarso Venceslau, contra a empresa e o advogado Roberto Teixeira, compadre de Luiz Inácio Lula da Silva, então presidente de honra do PT.

A empresa seria contratada sem licitação por prefeituras petistas para prestar assessoria no setor de arrecadação de impostos. Em contrapartida, a consultoria daria dinheiro para campanhas do partido. Depois, o ex-dirigente também questionou o fato de Lula morar em imóvel de Teixeira de graça, durante oito anos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas