Mortos em naufrágio no Amapá chegam a 32

brasil
07.03.2020, 10:56:24
Atualizado: 07.03.2020, 10:58:31

Mortos em naufrágio no Amapá chegam a 32

Ainda há ao menos nove pessoas consideradas desaparecidas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O número de mortos em decorrência do naufrágio do navio Anna Karoline III, no sul do Amapá, chegou a 32. Mais três corpos foram retirados da água nesta sexta-feira (6). Ainda há ao menos nove pessoas consideradas desaparecidas, mas o número não é preciso porque a embarcação não tinha lista de passageiros. O acidente aconteceu no dia 28 de fevereiro e o governo prepara agora a contratação de uma empresa para reflutuar a embarcação.

Para reconhecer os corpos resgatados nesta sexta, a Polícia Técnico-científica do Amapá informou que usará exames de DNA. O avançado estado de decomposição impediu o reconhecimento das vítimas por parentes ou por meio de impressões digitais. Na tarde desta sexta, o governo do Estado divulgou nota pedindo que pais, filhos ou avós compareçam à polícia para disponibilizar o material genético necessário para os exames.

O navio Anne Karoline III saiu do Porto do Grego, no município de Santana, às 18h de sexta-feira, 27, com destino a Santarém, no Pará, e por volta das 5 horas de sábado, 28, naufragou no Rio Cajari, afluente do Rio Amazonas, no município de Laranjal do Jari (AP). De acordo com o comandante da embarcação, uma forte ventania virou o navio.

Na hora do naufrágio, uma balsa, que faz transporte de gado, passava pelo local. Parou e prestou socorro. Foi nesta balsa que os sobreviventes ficaram durante horas até que chegasse socorro

Na quarta-feira, o governo do Amazonas mandou quatro mergulhadores especialistas em localizar vítimas de acidentes aquáticos. Além de ter qualificação profissional, eles trouxeram equipamentos e aparelhos - que não existem nos corpos de bombeiros do Pará e Amapá - que permitem que eles fiquem submersos por até 3 horas. As águas escuras e a forte correnteza não permitiam que os mergulhadores amapaenses e paraenses entrassem na embarcação.

O governo do Amapá já efetivou a contratação, em caráter emergencial, de uma empresa de logística do Pará - sediada em Belém - para executar a operação de reflutuação. Agora, a empresa selecionada deverá apresentar o plano dentro de 24 horas para ser analisado pela Marinha do Brasil, que é a responsável pela autorização de operação.

"Assim que o plano for aprovado, a empresa contratada já poderá iniciar neste final de semana o deslocamento de todos os seus equipamentos para iniciar efetivamente a reflutuação. É um trabalho bastante complexo, que requer inclusive o isolamento da área, para cuidar da segurança das pessoas e do meio ambiente", explicou o secretário de Justiça e Segurança Pública do Amapá (Sejusp), Carlos Souza.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas