MP vai investigar impactos do vazamento de óleo em comunidades de pescadores

bahia
25.10.2019, 09:10:00
Atualizado: 25.10.2019, 09:12:35
(Foto: Gabriel Moura/Arquivo CORREIO)

MP vai investigar impactos do vazamento de óleo em comunidades de pescadores

Bahia Pesca estima que há 16 mil pescadores afetados na Bahia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Ministério Público estadual instaurou procedimento para atender demandas apresentadas por pescadores e marisqueiras das comunidades baianas atingidas pelo vazamento de óleo no litoral do estado. A Bahia Pesca estima que cerca de 16 mil pescadores foram afetados de forma direta ou indireta pelos resíduos. Os problemas vem do impedimento de se realizar a pesca e a redução da venda do pescado, já que a população fica mais cautelosa com o consumo de peixes nas áreas oleadas.

O procedimento instaurado pelo MP foi encaminhado pela coordenadora do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos (Caodh), promotora de Justiça Marcia Teixeira, para as coordenações do Grupo de Atuação Especial de Proteção aos Direitos Humanos e Combate à Discriminação (Gedhdis) e do Centro de Apoio Operacional da Defesa da Saúde Pública (Cesau) para que adotem as devidas providências. 

Uma reunião pública coordenada pelo Gedhdis e pelo Caodh foi marcada para o dia 6 de novembro, às 13h30, na sede do MP no bairro de Nazaré, em Salvador, para debater o tema com toda a comunidade. 

A atuação do MP atende a demandas apresentadas ontem (24) por representantes de comunidades de pescadores e marisqueiras do litoral baiano, por meio de uma carta aberta entregue aos membros dos Ministérios Públicos Estadual e Federal relatando os prejuízos enfrentados por eles. 

No documento, eles solicitam que seja analisada a qualidade da água e do pescado nas suas comunidades para verificar se existe ou não contaminação. No aspecto econômico, pescadores e marisqueiras pediram a criação de um seguro especial para ajudar a minorar os prejuízos provocados pelo vazamento. 

No encontro, realizado na sede do MPF, os membros do MP apresentaram aos representantes das comunidades um panorama geral de todas ações ajuizadas e todas as tratativas judiciais e administrativas para lidar com o vazamento. Segundo a coordenadora do Caodh, Márcia Teixeira, serão apuradas também a eventual prática de “racismo ambiental, considerando que os danos, em regra, atingem com maior intensidade a população negra”. 

Adab convoca empresas de pescado a reforçar exames de inocuidade
A Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Adab) distribuiu, na quinta-feira (24), uma circular às empresas processadoras de pescados registradas no seu Serviço de Inspeção para que reforcem a vigilância e atentem para a Portaria 144, publicada pela autarquia em junho de 2019, que trata de boas práticas de comercialização, nos itens “análise laboratorial e rastreabilidade”. 

“Já faz parte da rotina das empresas realizar os exames fisioquímicos e microbiológicos em toda a produção, no entanto, solicitamos maior atenção quanto ao cumprimento dos testes para garantir a inocuidade dos alimentos, nesse período que o óleo está presente no mar, uma vez que não sabemos o que pode causar à saúde humana”, ressalta o diretor-geral da ADAB, Maurício Bacelar.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas