Mulher de Raulzito dizia para crianças não ficarem sozinhas com o youtuber

brasil
20.08.2021, 09:44:36
(Foto: Reprodução)

Mulher de Raulzito dizia para crianças não ficarem sozinhas com o youtuber

Investigações apontam que gamer cometia abusos há, ao menos, 15 anos

Em depoimento prestado à polícia, a mãe de uma das crianças vítimas dos abusos de Raulino de Oliveira Maciel, o Raulzito, relatou um comentário que teria sido feito pela mulher do gamer e que causou estranheza aos investigadores. A esposa de suspeito de pedofilia sempre falava para as mães não deixarem o suspeito sozinho com as crianças.

A mãe, que foi uma das denunciantes, contou que, inicialmente, não suspeitou de nada pois, à época, Raulzito "aparentava normalidade", informou no depoimento revelado pelo G1. Depois que o caso veio à tona, a mãe da vítima concluiu que esposa do gamer provavelmente sabia dos crimes.

O gamer foi indiciado pelo estupro de vulnerável de duas crianças. Outros sete casos suspeitos foram denunciados em São Paulo, Paraíba e Santa Catarina.

A mulher de Raulzito falava, ainda de acordo com o depoimento da mãe de uma das vítimas, para que o filho dela aproveitasse o tempo de aprendizado com o gamer.

Isso porque, segundo ela, as crianças "perdiam a graça pra ele" depois que cresciam. A esposa teria dito ainda que, para o marido, as crianças eram "descartáveis".

Raulzito foi preso em Santa Catarina no último dia 27 de julho.

'Sedução'
Os investigadores concluíram que o gamer se aproximava das crianças e dos pais através das redes sociais. Após conquistar a confiança da família, Raulzito abusava dos menores em seu estúdio, em São Paulo.

Os abusos também eram cometidos nas casas dos pais, segundo a investigação, e os responsáveis eram seduzidos por promessas feitas por Raulzito – ele dizia que ajudaria as crianças a entrarem no mundo dos games.

Há mais de 15 anos
Segundo a polícia, Raulzito cometeria esse tipo de crime há muito tempo. Uma de suas vítimas confirma.

"Hoje tenho 28 anos. O abuso ocorreu quando eu tinha cerca de 12. Ele devia ter uns 20. Costumava vir aqui em casa para jogar vídeo-game. Demorou um ano para ele fazer alguma coisa. Até que ele começou e chegou ao ato em si. Nunca falei nada para ninguém. Hoje consigo falar sobre isso, depois de muita terapia", o assistente de suporte técnico Lucas Martinelli Caetano.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas